Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

ELEIÇÕES 2022

WF admite reeleição e já costura apoio do Paiaguás

Foto: Ari Miranda / RDM

Da Redação Rufando Bombo com Redação RDM

em conversa com jornalistas, O senador Wellington Fagundes (PL) admitiu que sua candidatura à reeleição, em 2022 já está definida e que a expectativa é disputar no grupo do governador Mauro Mendes (DEM). “Estou trabalhando para isso. Nosso foco, nesse ano, mais do que nunca, é resolver os problemas com a pandemia, é vacina no braço dos brasileiros. Mas claro que já está definido que serei candidato a reeleição ao Senado no ano que vem”, disparou.

Sobre a possibilidade de abrir mão da reeleição e sair a deputado federal,  Fagundes foi enfático. “Esse projeto não passa pela minha cabeça. Já fui deputado por 6 mandatos, não tem como retroceder agora”, asseverou.

O senador liberal, que faz um trabalho de aproximação com o governador Mauro Mendes, disse que ainda não pode falar em coligações para 2022. “Estamos trabalhando, ainda não podemos antecipar coligações”.

Sobre o apoio do governador Mauro Mendes, disse que “tudo isso não depende apenas da vontade pessoal. Tenho bom diálogo com o Mauro Mendes. Já o apoiei e já fui apoiado por ele. Então, não teremos dificuldades de conversar com ele ou com qualquer outro candidato que venha surgir no grupo”, disse o parlamentar.

Leia Também:  Teich pede demissão e general Pazuello é cotado para assumi seu lugar

Na corrida presidencial, Wellington Fagundes diz que o PL deve apoiar a candidatura do presidente Jair Bolsonaro à reeleição. “Somos de centro. Nós apoiamos o presidente Bolsonaro. Temos a Flávia Arruda, que é secretaria de governo de Bolsonaro. Agora, até a convenção, dependerá muito do que será construído e como vai ficar a configuração dos candidatos. Dificilmente teremos candidatos a presidente no PL”, adiantou.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política

Pivetta assina compromisso por bioeconomia em Fórum dos Governadores da Amazônia Legal

GOV MT – Assessoria

 

Na 24º edição do Fórum dos Governadores da Amazônia Legal, o vice-governador de Mato Grosso, Otaviano Pivetta (PDT), assinou a carta conjunta na qual os estados firmam o compromisso de promoverem a bioeconomia nos estados. O encontro aconteceu na cidade de Belém (PA) nesta segunda-feira (18.10).

A carta é também um convite para o setor privado nacional e fundos internacionais investirem e incentivarem a bioeconomia na Amazônia. A reunião ocorre em meio ao Fórum Mundial de Bioeconomia, que pela primeira vez ocorre fora da Finlândia.

Durante o encontro, Otaviano Pivetta destacou o compromisso de Mato Grosso com a preservação ambiental e o desenvolvimento sustentável da Amazônia e dos objetivos do Estado de preservar a floresta em pé.

“Trago a mensagem do Estado de Mato Grosso de que temos a convicção de que estamos no caminho certo. Definimos um plano para a neutralização do carbono no estado. O primeiro objetivo para alcançar a meta é o combate ao desmatamento ilegal. Habitamos um estado que se tornou nos últimos 10 anos o líder brasileiro na produção agrícola, e vamos crescer muito em produtividade sem fazer uso da Amazônia. Cerca de metade do nosso território é Amazônico, e nós queremos dar as mãos aos outros governadores da Amazônia Legal para preservar”, afirma o vice-governador.

O presidente do Consórcio, o governador do Maranhão, Flávio Dino, abriu a reunião contando sobre a função do Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável da Amazônia Legal como importante espaço para troca de experiências e avanços no desenvolvimento econômico e social da Amazônia Legal, de maneira harmônica e sustentável. O governador do Pará, Helder Barbalho, foi o anfitrião do evento.

Leia Também:  Ex-aluna do Sesi Várzea Grande estreia como escritora infantil

Fazem parte do Consórcio os estados do Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins.

O encontro marcou também os preparativos da delegação de secretários que irão participar da Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática (COP 26), que acontecerá em Glasgow, na Escócia, entre 31 de outubro e 12 de novembro de 2021, sob a presidência do Reino Unido. Este é o principal espaço mundial de formação de compromissos multilaterais pelo clima.

Foi assinado ainda um documento para início das tratativas de captação de recursos para a preservação da Amazônia e combate ao desmatamento por meio do Memorando de Entendimento à Cooperação Alemã-GIZ e Emergente (LEAF Coalition), uma coalizão formada pelos Estados Unidos, Reino Unido e Noruega.

Fórum Mundial de Bioeconomia

A Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT) também participa do Fórum Mundial de Bioeconomia, que discute de 18 a 20 de outubro, em Belém (PA), caminhos para o desenvolvimento sustentável com foco nas comunidades que residem na Amazônia, e na preservação da natureza. Líderes, entidades e especialistas, do Brasil e do exterior, debatem propostas voltadas ao desenvolvimento pleno da bioeconomia.

“Belém recebeu este importante evento para discutir modos de preservar a floresta e produzir de modo sustentável. Com a nossa rica biodiversidade, é importante e urgente transformar os ativos ambientais em receita financeira, fortalecer as cadeiras produtivas que preservam e promovam pesquisas para novas tecnologias. É preciso avançar na discussão da Bioeconomia que queremos para a Amazônia”, avalia a secretária de Estado de Meio Ambiente, Mauren Lazzaretti.

Leia Também:  De dentista a marketing digital: transição de carreira é tendência na pandemia

Em Mato Grosso, o incentivo à bioeconomia está diretamente relacionado aos produtos oriundos do uso sustentável da Floresta, como o café, a castanha do Brasil, guaraná, cacau entre outros. Também agregam à meta a eficiência no uso do solo sem abertura de novas áreas de floresta para produzir mais.

Bioeconomia é um modelo de desenvolvimento ligado ao aproveitamento dos recursos naturais aliados a utilização de tecnologias para criação de produtos e serviços mais sustentáveis. Na Amazônia, o potencial de desenvolver novos produtos que dependem da floresta em pé é muito grande, conta a gestora.

“Participei de uma etapa do Fórum Mundial de Bioeconomia representando a Assembleia Legislativa de Mato Grosso. Estamos falando da manutenção da nossa floresta em pé, das nossas nascentes e aquíferos, e da nossa biodiversidade viva, moeda verde e reflorestamento das áreas degradadas. Esse é o futuro, fazer da floresta um ambiente econômico e saudável para o mundo”, conta o deputado estadual Allan Kardec.

Também fez parte da delegação de Mato Grosso o secretário Executivo da Sema-MT, Alex Marega, e a assessora de Relações Internacionais, Rita Chiletto.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

LEGISLATIVO

EXECUTIVO

JUDICIÁRIO

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA