Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

Política

Maluf assume o TCE e anuncia reforma administrativa e ajuste

O conselheiro Guilherme Antonio Maluf tomou posse, na tarde desta segunda-feira (16), como o novo presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT). Ele será responsável pelo biênio 2020/2021. Em seu discurso, Maluf afirmou que sua gestão será responsável por implantar uma reforma administrativa com uma série de ajuste de contas. Atualmente, o TCE estourou […]

O conselheiro Guilherme Antonio Maluf tomou posse, na tarde desta segunda-feira (16), como o novo presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT). Ele será responsável pelo biênio 2020/2021.

Em seu discurso, Maluf afirmou que sua gestão será responsável por implantar uma reforma administrativa com uma série de ajuste de contas. Atualmente, o TCE estourou o limites de gastos com folha salarial estabelecidos na Lei de responsabilidade Fiscal (LRF).

“Estamos construindo soluções para a reforma administrativa e enxugamento de despesas da Casa, para a regulamentação do uso dos recursos do Fundecontas na capacitação de gestores municipais e o aperfeiçoamento da proposta de regulamentação do controle simultâneo do TCE sobre PPPS e concessões públicas”, afirmou, durante um discurso de quase 10 minutos.

“O Tribunal de Contas de Mato Grosso, órgão autônomo e independente, não pode fugir à responsabilidade de ajustar suas contas, como qualquer outro jurisdicionado. Aprendi, ao longo da minha vida pública, que a dificuldade é a mãe da inovação e do aperfeiçoamento. É hora de o TCE se reinventar e não fugiremos a este desafio”, acrescentou.

Segundo Maluf, um dos eixos de sua gestão será no aumento do diálogo institucional com os poderes, a racionalização dos processos de trabalho da casa e o aumento da presença de controle nos 141 municípios do Estado.

Leia Também:  Vaza Jato: Moro pediu manifestação do MPF e orientou contra delação de Cunha

Ele afirmou querer aproximar a Corte das prefeituras do interior.

“Vamos continuar investindo na modernização do Tribunal, garantindo condições de trabalho e ferramentas eficazes para a área técnica. Vamos reforçar nossas parcerias com órgãos e instituições, numa perspectiva de ampliar a efetividade das ações”, disse.

“Os desafios são grandes, mas que tenho a certeza de que, com a união harmônica e, sobretudo, com os vastos conhecimentos técnicos de todos os que integram o TCE, as soluções virão naturalmente. Hoje, tenho absoluta consciência das enormes responsabilidades do cargo de presidente do TCE e me doarei de corpo e alma, em todos os dias de minha gestão”, afirmou.

Em seu discurso, Maluf agradeceu os presidentes anteriores do TCE. Ele citou o conselheiro Gonçalo Domingos de Campos Neto, e os conselheiros afastados por conta de uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), Antonio Joaquim, Valter Albano, José Carlos Novelli e Valdir Teis.

E afirmou que sua experiência como agente político irá ajudar na gestão e na relação com os poderes.

“Mais que o exercício do nobre cargo, trata-se da oportunidade de continuar a servir ao interesse público, como venho fazendo ao longo de minha vida. Encaro este desafio como mais uma etapa do caminho que construí ao longo das últimas décadas, degrau a degrau”, afirmou.

Leia Também:  PGE realizou 20 mil atendimentos online e encaminhou 66 mil certidões

“Minha experiência como agente político, aliada à excepcional capacidade técnica dos quadros deste Tribunal, contribuirá com certeza para aproximar o Tribunal dos municípios e harmonizar o relacionamento com os poderes e órgãos. Nossa meta principal é assegurar a qualidade dos gastos e a eficiência das políticas públicas”, completou.

Dura tarefa

A posse de Maluf foi acompanhada por uma série de agentes políticos, como o governador Mauro Mendes (DEM) e o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho (DEM).

Mendes desejou sorte ao novo presidente do TCE, em especial na tarefa de análise das contas dos municípios.

“Que Maluf e Domingos Campos possam cumprir com a dura tarefa de analisar as contas dos municípios de Mato Grosso. Me sinto honrado em estar aqui na posse. Desejo uma profícua gestão. Vivemos um momento em que a sociedade clama e precisa que os recursos sejam corretamente aplicados”, afirmou.

“Todos temos que entender esse novo momento que a sociedade vive. Alguns momentos do passado deixaram uma sensação de desgosto. Então, cabe a nós darmos a contribuição para o bem do nosso País e Estado”, completou.

 

 

 

Fonte: Mídia News | Foto: Victor Ostetti

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Política

Pivetta assina compromisso por bioeconomia em Fórum dos Governadores da Amazônia Legal

GOV MT – Assessoria

 

Na 24º edição do Fórum dos Governadores da Amazônia Legal, o vice-governador de Mato Grosso, Otaviano Pivetta (PDT), assinou a carta conjunta na qual os estados firmam o compromisso de promoverem a bioeconomia nos estados. O encontro aconteceu na cidade de Belém (PA) nesta segunda-feira (18.10).

A carta é também um convite para o setor privado nacional e fundos internacionais investirem e incentivarem a bioeconomia na Amazônia. A reunião ocorre em meio ao Fórum Mundial de Bioeconomia, que pela primeira vez ocorre fora da Finlândia.

Durante o encontro, Otaviano Pivetta destacou o compromisso de Mato Grosso com a preservação ambiental e o desenvolvimento sustentável da Amazônia e dos objetivos do Estado de preservar a floresta em pé.

“Trago a mensagem do Estado de Mato Grosso de que temos a convicção de que estamos no caminho certo. Definimos um plano para a neutralização do carbono no estado. O primeiro objetivo para alcançar a meta é o combate ao desmatamento ilegal. Habitamos um estado que se tornou nos últimos 10 anos o líder brasileiro na produção agrícola, e vamos crescer muito em produtividade sem fazer uso da Amazônia. Cerca de metade do nosso território é Amazônico, e nós queremos dar as mãos aos outros governadores da Amazônia Legal para preservar”, afirma o vice-governador.

O presidente do Consórcio, o governador do Maranhão, Flávio Dino, abriu a reunião contando sobre a função do Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável da Amazônia Legal como importante espaço para troca de experiências e avanços no desenvolvimento econômico e social da Amazônia Legal, de maneira harmônica e sustentável. O governador do Pará, Helder Barbalho, foi o anfitrião do evento.

Leia Também:  Senador destaca importância do FGTS

Fazem parte do Consórcio os estados do Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins.

O encontro marcou também os preparativos da delegação de secretários que irão participar da Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática (COP 26), que acontecerá em Glasgow, na Escócia, entre 31 de outubro e 12 de novembro de 2021, sob a presidência do Reino Unido. Este é o principal espaço mundial de formação de compromissos multilaterais pelo clima.

Foi assinado ainda um documento para início das tratativas de captação de recursos para a preservação da Amazônia e combate ao desmatamento por meio do Memorando de Entendimento à Cooperação Alemã-GIZ e Emergente (LEAF Coalition), uma coalizão formada pelos Estados Unidos, Reino Unido e Noruega.

Fórum Mundial de Bioeconomia

A Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT) também participa do Fórum Mundial de Bioeconomia, que discute de 18 a 20 de outubro, em Belém (PA), caminhos para o desenvolvimento sustentável com foco nas comunidades que residem na Amazônia, e na preservação da natureza. Líderes, entidades e especialistas, do Brasil e do exterior, debatem propostas voltadas ao desenvolvimento pleno da bioeconomia.

“Belém recebeu este importante evento para discutir modos de preservar a floresta e produzir de modo sustentável. Com a nossa rica biodiversidade, é importante e urgente transformar os ativos ambientais em receita financeira, fortalecer as cadeiras produtivas que preservam e promovam pesquisas para novas tecnologias. É preciso avançar na discussão da Bioeconomia que queremos para a Amazônia”, avalia a secretária de Estado de Meio Ambiente, Mauren Lazzaretti.

Leia Também:  Reforma tributária deve ter relatório em duas semanas, afirma relator

Em Mato Grosso, o incentivo à bioeconomia está diretamente relacionado aos produtos oriundos do uso sustentável da Floresta, como o café, a castanha do Brasil, guaraná, cacau entre outros. Também agregam à meta a eficiência no uso do solo sem abertura de novas áreas de floresta para produzir mais.

Bioeconomia é um modelo de desenvolvimento ligado ao aproveitamento dos recursos naturais aliados a utilização de tecnologias para criação de produtos e serviços mais sustentáveis. Na Amazônia, o potencial de desenvolver novos produtos que dependem da floresta em pé é muito grande, conta a gestora.

“Participei de uma etapa do Fórum Mundial de Bioeconomia representando a Assembleia Legislativa de Mato Grosso. Estamos falando da manutenção da nossa floresta em pé, das nossas nascentes e aquíferos, e da nossa biodiversidade viva, moeda verde e reflorestamento das áreas degradadas. Esse é o futuro, fazer da floresta um ambiente econômico e saudável para o mundo”, conta o deputado estadual Allan Kardec.

Também fez parte da delegação de Mato Grosso o secretário Executivo da Sema-MT, Alex Marega, e a assessora de Relações Internacionais, Rita Chiletto.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

LEGISLATIVO

EXECUTIVO

JUDICIÁRIO

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA