Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

SUMA IMPORTÂNCIA

Maia espera votar até o fim do ano a PEC da prisão em 2ª instância

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta sexta-feira (9) que espera votar até o fim do ano a proposta de emenda à Constituição que permite o cumprimento da pena após condenação em segunda instância (PEC 199/19).

Maia não especificou data para o retorno da comissão especial que analisa o tema, mas disse que o assunto entrará na pauta da Câmara nos próximos meses, após concluída a análise de propostas consideradas prioritárias – como a PEC Emergencial e a reforma tributária – e depois que tiverem diminuído os casos de Covid-19 no País.

Os trabalhos da comissão da PEC da prisão em segunda instância estão suspensos em razão da pandemia causada pelo coronavírus. O colegiado é presidido pelo deputado Marcelo Ramos (PL-AM) e tem como relator o deputado Fábio Trad (PSD-MS).

A proposta
A PEC permite a prisão de pessoas condenadas após o julgamento em segunda instância, ao definir que o trânsito em julgado de uma ação se dá nessa fase. O julgamento em segunda instância é realizado por tribunais, que revisam casos julgados por juízes de primeira instância. Na Justiça comum, a segunda instância são os tribunais de Justiça dos estados. Na Justiça federal, são os cinco tribunais regionais federais (TRFs).

Leia Também:  Prefeitos atendem ao chamado do presidente do TJMT e aderem ao Programa Criança Feliz

Atualmente, a possibilidade de recursos se estende ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) e ao Supremo Tribunal Federal (STF), o que pode retardar o trânsito em julgado em muitos anos.

As declarações de Maia sobre a PEC da prisão em segunda instância foram feitas em entrevista ao site O Antagonista.

Saiba mais sobre a tramitação de propostas de emenda à Constituição

Fonte: Câmara dos Deputados Federais

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política

Eleição deste ano não terá biometria, decide TSE

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) vai seguir a recomendação de infectologistas que prestam consultoria sanitária para as eleições municipais e excluir a necessidade de identificação biométrica no dia da votação. A decisão foi tomada pelo presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso. O repórter Pedro Pincer, da Rádio Senado, tem mais informações.

 

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  " Vai ter muito trabalho para ser liberada pela Anvisa", diz Pazuello
Continue lendo

vídeo publicitário

LEGISLATIVO

EXECUTIVO

JUDICIÁRIO

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA