Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

COVID-19

Cepa andina ameaça entrar em MT e Wellington pede bloqueio sanitário urgente

Na visita que fará nesta sexta-feira, 9, a Mato Grosso, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, deverá tratar da possibilidade de implantação emergencial de bloqueio sanitário na fronteira do Estado para evitar a entrada de uma cepa andina do novo coronavírus. A medida, segundo o senador Wellington Fagundes (PL-MT), relator da Comissão da Covid-19, consiste na imunização da população que habita a extensão fronteira de Mato Grosso com a Bolívia.

Na quinta-feira, 8, na sessão do Senado, Wellington alertou sobre os riscos da nova cepa do vírus e informou que pedirá ao ministro Queiroga a inclusão dos municípios instalados na zona de fronteira como prioridade do Programa Nacional de Imunização. A medida inclui também a fronteira de Mato Grosso do Sul com o Paraguai. Preferencialmente, segundo ele, que a vacinação ocorra com vacinas da Janssen, em dose única.

“Essa é a nossa proposta em função de sermos dois Estados com extensa faixa de fronteira. Só o meu Estado tem 720 quilômetros de faixa de fronteira seca, ou seja, as pessoas podem passar a pé, ir de um lado para o outro” – frisou o senador mato-grossense.

Leia Também:  Zenaide Maia defende projeto que dá prioridade a lactantes na vacinação

Anteriormente, o assunto já havia sido levado ao ministro Marcelo Queiroga, mas, segundo Fagundes, a ameaça da cepa andina se tornou real. Mato Grosso está entre os três estados com menos de 10% de sua população imunizada com as duas doses ou dose única de vacinas contra a Covid-19. “São municípios com pequena população, em sua grande maioria, e que uma campanha consistente afastaria esse risco” – ele observou.

Ao todo, 28 municípios de Mato Grosso estão incluídos na classificação de faixa de fronteira. Entre eles estão Vila Bela da Santíssima Trindade, Cáceres, Poconé, Araputanga, Barão de Melgaço, Barra do Bugres, Lambari d’Oeste, Pontes e Lacerda, Rio Branco, Salto do Céu, São José dos Quatro Marcos, Vale do São Domingos e Tangará da Serra.

Além disso, uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional dos Municípios mostra que a possibilidade de os brasileiros moradores das localidades de faixa de fronteira se vacinarem em países vizinhos é menos da metade da chance que estrangeiros têm de receber a imunização contra a Covid-19 no Brasil. Portanto, o risco acaba sendo todo para o lado brasileiro.

Leia Também:  BNDES muda diretoria e visa agilidade em privatizações

A ida do ministro Queiroga a Rondonópolis, Várzea Grande e Cuiabá representa também estímulo para ajudar no processo de vacinação em Mato Grosso. Entre os vários eventos previstos, ele participará, nesta sexta-feira, 9, da aplicação de imunizantes nos postos onde ocorrem a vacinação da população nas três cidades. A visita foi solicitada pelo senador Wellington Fagundes, que lidera os esforços do Brasil para implementar medidas de vacinação da população contra a Covid-19.

Assessoria 

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política

Projeto prevê a criação de linhas de crédito para pequenas igrejas

O Projeto de Lei 1957/21 prevê a criação, pelas instituições financeiras públicas federais, de linhas de crédito para as pequenas igrejas. A proposta, do deputado Marcelo Brum (PSL-RS), tramita na Câmara dos Deputados.

O projeto não detalha o financiamento previsto, mas esclarece que serão beneficiadas as pequenas igrejas, de qualquer culto, inscritas no Cadastro Nacional na Pessoa Jurídica (CNPJ), cujo valor recebido no ano-calendário anterior a partir de doações e das demais receitas de qualquer natureza seja inferior a R$ 4,8 milhões.

Marcelo Brum observa que as restrições resultantes das recomendações para evitar a propagação da Covid-19 acarretaram expressiva retração nos dízimos e nas doações que permitem a prestação de serviços religiosos, gerando desafios para a manutenção das atividades das igrejas, sobretudo as menores.

“Nesse grave contexto, é adequado e oportuno que existam linhas de crédito por parte das instituições financeiras públicas federais direcionadas às pequenas igrejas, que têm uma relevante função social a cumprir, de maneira a viabilizar sua existência inclusive para que, em breve, as obrigações assumidas sejam tempestivamente adimplidas”, afirma o autor da proposta.

Leia Também:  Em menos de um mês 14 mil pessoas foram atendidas

Tramitação
O projeto tramita em caráter conclusivo e será analisado pelas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Saiba mais sobre a tramitação de projetos de lei

Reportagem – Noéli Nobre
Edição – Ana Chalub

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

LEGISLATIVO

EXECUTIVO

JUDICIÁRIO

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA