Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

CONQUISTA

Articulação de Wellington Fagundes garante recursos para conclusão de obras de infraestrutura

Com a aprovação de projetos de lei pelo Congresso Nacional, serão liberados recursos para três rodovias federais no Estado.

Da Assessoria com Redação RDM

Senador Wellington Fagundes. (Foto: Agência Senado)

Líder do Bloco Parlamentar Vanguarda e presidente da Frente Parlamentar de Infraestrutura e Logística, o senador Wellington Fagundes (PL-MT), articulou junto ao Governo Federal para assegurar recursos na ordem de quase R$ 59 milhões para conclusão de várias obras rodoviárias em Mato Grosso. Os valores estão previstos no projeto de lei aprovado na Comissão Mista do Orçamento e chancelado pelo Congresso Nacional na semana passada.

O PLN 20/2021 prevê crédito suplementar em favor do Ministério da Infraestrutura para viabilizar, no Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), a conservação e recuperação de ativos de infraestrutura. Com isso – afirmou Fagundes – “vamos dar um ‘grande salto logístico’, bases para sermos mais competitivos no agronegócio, e, com isso, voltar a gerar empregos”.

O maior valor aprovado para Mato Grosso foi na ordem de R$ 14,6 milhões. Os recursos serão aplicados em obras de adequação de trecho da BR-163/364, ligando Rondonópolis, Cuiabá e Posto Gil. Esse trecho, a cargo do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (DNIT), é a única parte que ainda não está duplicada, acesso a Cuiabá e Rosário Oeste, totalizando 103 quilômetros.

Leia Também:  Concessionária de ferrovia inicia pagamento de R$1,2 bilhão aos cofres públicos

Segundo o senador do PL de Mato Grosso, as obras de adequação serão essenciais para garantir a melhoria das condições de tráfego de carretas, caminhões, ônibus e outros veículos até que ocorra a duplicação. Ele ressaltou que todos os esforços políticos estão sendo realizados para que essa importante rota do agronegócio seja concluída. No final de agosto, foi entregue o último segmento, de responsabilidade do Governo Federal, que restava ser finalizado junto ao perímetro urbano de Cuiabá.

No trecho entre Cuiabá e Rondonópolis trafegam mais de 30 mil veículos por dia. Com a conclusão dos primeiros trechos de duplicação da rodovia houve redução de 64% no número de acidentes, de acordo com a Polícia Rodoviária Federal, uma queda de 800 para cerca de 300 no último ano. “Precisamos muito dessa duplicação, porque ela amplia a segurança dos motoristas, dá mais agilidade ao transporte de cargas na região e aumenta a competitividade do agronegócio mato-grossense.” – explicou o senador.

Além disso, estão previstos recursos para a construção de trecho rodoviário ligando Uruaçu, na divisa de Goiás com Mato Grosso, chegando à cidade de Ribeirão Cascalheira, na BR-080. Para esta obra, o Governo, de acordo com o projeto orçamentário, destinará R$ 29,2 milhões. O Planalto destinará também, na abertura do orçamento, mais R$ 10 milhões para a BR-158, referentes às obras no trecho ligando Ribeirão Cascalheira à divisa de Mato Grosso com o Pará.

Leia Também:  Com novo partido de Bolsonaro, deputado prevê debandada no PSL

Contorno de Barra do Garças

Outra obra importante destacada pelo senador Wellington Fagundes é o contorno rodoviário de Barra do Garças, na BR – 070. A aprovação do PLN pelo Congresso Nacional, garante a liberação de R$ 4,9 milhões para a obra. Fagundes celebrou a liberação desses recursos, comprometida pelo ministro Tarcísio de Freitas, da Infraestrutura, “mais uma grande conquista”, comemorou.

“Esse é um projeto que temos lutado muito pela sua conclusão, porque vai representar, acima de tudo, a melhoria de qualidade de vida da população de Barra do Garças” – frisou Fagundes. Atualmente, todo o fluxo de carretas e caminhões na BR-070 passam pelo centro do município. A obra já está em andamento, e é orçada em R$ 17 milhões.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Política

Pivetta assina compromisso por bioeconomia em Fórum dos Governadores da Amazônia Legal

GOV MT – Assessoria

 

Na 24º edição do Fórum dos Governadores da Amazônia Legal, o vice-governador de Mato Grosso, Otaviano Pivetta (PDT), assinou a carta conjunta na qual os estados firmam o compromisso de promoverem a bioeconomia nos estados. O encontro aconteceu na cidade de Belém (PA) nesta segunda-feira (18.10).

A carta é também um convite para o setor privado nacional e fundos internacionais investirem e incentivarem a bioeconomia na Amazônia. A reunião ocorre em meio ao Fórum Mundial de Bioeconomia, que pela primeira vez ocorre fora da Finlândia.

Durante o encontro, Otaviano Pivetta destacou o compromisso de Mato Grosso com a preservação ambiental e o desenvolvimento sustentável da Amazônia e dos objetivos do Estado de preservar a floresta em pé.

“Trago a mensagem do Estado de Mato Grosso de que temos a convicção de que estamos no caminho certo. Definimos um plano para a neutralização do carbono no estado. O primeiro objetivo para alcançar a meta é o combate ao desmatamento ilegal. Habitamos um estado que se tornou nos últimos 10 anos o líder brasileiro na produção agrícola, e vamos crescer muito em produtividade sem fazer uso da Amazônia. Cerca de metade do nosso território é Amazônico, e nós queremos dar as mãos aos outros governadores da Amazônia Legal para preservar”, afirma o vice-governador.

O presidente do Consórcio, o governador do Maranhão, Flávio Dino, abriu a reunião contando sobre a função do Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável da Amazônia Legal como importante espaço para troca de experiências e avanços no desenvolvimento econômico e social da Amazônia Legal, de maneira harmônica e sustentável. O governador do Pará, Helder Barbalho, foi o anfitrião do evento.

Leia Também:  Medida provisória prevê R$ 265 milhões para Educação e Cidadania

Fazem parte do Consórcio os estados do Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins.

O encontro marcou também os preparativos da delegação de secretários que irão participar da Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática (COP 26), que acontecerá em Glasgow, na Escócia, entre 31 de outubro e 12 de novembro de 2021, sob a presidência do Reino Unido. Este é o principal espaço mundial de formação de compromissos multilaterais pelo clima.

Foi assinado ainda um documento para início das tratativas de captação de recursos para a preservação da Amazônia e combate ao desmatamento por meio do Memorando de Entendimento à Cooperação Alemã-GIZ e Emergente (LEAF Coalition), uma coalizão formada pelos Estados Unidos, Reino Unido e Noruega.

Fórum Mundial de Bioeconomia

A Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT) também participa do Fórum Mundial de Bioeconomia, que discute de 18 a 20 de outubro, em Belém (PA), caminhos para o desenvolvimento sustentável com foco nas comunidades que residem na Amazônia, e na preservação da natureza. Líderes, entidades e especialistas, do Brasil e do exterior, debatem propostas voltadas ao desenvolvimento pleno da bioeconomia.

“Belém recebeu este importante evento para discutir modos de preservar a floresta e produzir de modo sustentável. Com a nossa rica biodiversidade, é importante e urgente transformar os ativos ambientais em receita financeira, fortalecer as cadeiras produtivas que preservam e promovam pesquisas para novas tecnologias. É preciso avançar na discussão da Bioeconomia que queremos para a Amazônia”, avalia a secretária de Estado de Meio Ambiente, Mauren Lazzaretti.

Leia Também:  Bolsonaro diz que Barroso não vai derrubar o voto impresso na canetada

Em Mato Grosso, o incentivo à bioeconomia está diretamente relacionado aos produtos oriundos do uso sustentável da Floresta, como o café, a castanha do Brasil, guaraná, cacau entre outros. Também agregam à meta a eficiência no uso do solo sem abertura de novas áreas de floresta para produzir mais.

Bioeconomia é um modelo de desenvolvimento ligado ao aproveitamento dos recursos naturais aliados a utilização de tecnologias para criação de produtos e serviços mais sustentáveis. Na Amazônia, o potencial de desenvolver novos produtos que dependem da floresta em pé é muito grande, conta a gestora.

“Participei de uma etapa do Fórum Mundial de Bioeconomia representando a Assembleia Legislativa de Mato Grosso. Estamos falando da manutenção da nossa floresta em pé, das nossas nascentes e aquíferos, e da nossa biodiversidade viva, moeda verde e reflorestamento das áreas degradadas. Esse é o futuro, fazer da floresta um ambiente econômico e saudável para o mundo”, conta o deputado estadual Allan Kardec.

Também fez parte da delegação de Mato Grosso o secretário Executivo da Sema-MT, Alex Marega, e a assessora de Relações Internacionais, Rita Chiletto.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

LEGISLATIVO

EXECUTIVO

JUDICIÁRIO

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA