Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

VINICIUS DE CARVALHO

Time do Senado

Tive a oportunidade de entrevistar pela internet 10 dos 11 candidatos ao senado federal por Mato Grosso nessa eleição suplementar. Como o título da live era sempre pré-jogo, não posso deixar de comparar os 11 candidatos com um time de futebol.

Das 11 candidaturas vejo que seis têm uma relação muito forte com a política nacional. São as do deputado estadual Elizeu Nascimento (DC), Euclides Ribeiro (Avante), Fernanda Rubia (Patriotas), Reinaldo Moraes (PSC), o deputado federal José Medeiros (Podemos) e Luciano Azuaga (Novo). Os cinco primeiros orbitam o eleitorado bolsonarista em Mato Grosso, em busca dos apoiadores aqui do atual Presidente da República.

São quase todos nomes novos ou dissidentes na política estadual, participando pela primeira vez da disputa. Até os nomes dos partidos são dessa nova safra. Apenas José Medeiros está concorrendo como titular pela segunda vez e Elizeu Nascimento que tem um pouco mais de estrada. Azuaga também é novato e segue uma orientação nacional do Novo para lançamento de candidatos na maior parte possível dos Estados. Um ponto forte entre elas é o forte uso das mídias sociais e o apelo à chamada “nova política”, que seria definida pelo fato de serem nomes sem experiência política e adotarem métodos de trabalho diferentes dos políticos tradicionais.

Leia Também:  Jayme Campos está sendo cotado para assumir o comando do Senado Federal

Os demais cinco candidatos estão mais articulados à política estadual, já que essa eleição tem se apresentado como um segundo turno ou repescagem de 2018. O 3º colocado Carlos Fávaro (PSD) está concorrendo com o 5º Nilson Leitão (PSDB), o 6º Procurador Mauro (PSOL) e a 7ª Maria Lúcia Cavalli Neder (PC do B), que trocou de lugar com o PT e passou para a 1ª suplência.  Está presente o candidato que ficou em 3º lugar para Governador, Pedro Taques (Solidariedade). Este último está na fronteira entre as dinâmicas estadual e nacional, uma vez que vem se posicionando como um dissidente, tentando navegar na onda da anti-política. Seria uma forma de voltar dez anos atrás, quando foi eleito senador com esse discurso.

Neste segundo grupo temos aqueles com as estruturas político-partidárias mais extensas e sólidas, no terreno da política analógica. Marca o enfrentamento de grupos políticos importantes, como aquele que ganhou o primeiro plano a partir da eleição de Blairo Maggi em 2002 e é formado, de modo majoritário, por empresários do setor primário. Destaque para Mauro Mendes e o próprio Fávaro. A única exceção é o deputado Carlos Bezerra (MDB), que vem acompanhando esse grupo nas candidaturas majoritárias desde 2006, dentro do seu forte faro pela permanência no poder. O outro expressa mais o tradicionalismo político, sendo formado por aqueles que detinham mandato popular antes da Era Blairo Maggi. Nilson Leitão, a família Campos e o senador Wellington Fagundes se encaixam nesse critério, assim como o prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (MDB).

Leia Também:  Ao vivo: Augusto Aras, indicado para PGR, é sabatinado no Senado

Pelo lado esquerdo há também entre o PT e o Procurador Mauro. O PT perdeu espaço em Mato Grosso desde a sua política equivocada de aliança tática com Blairo Maggi contra o PSDB, iniciada de modo informal em 2002 e confirmada em 2006. Favoreceu as disputas presidenciais do partido, mas o enfraqueceu no plano estadual. Isso foi agravado com a famosa disputa entre Serys e Abicalil que acabou prejudicando os dois e fragilizando mais ainda o partido. A ascensão do Procurador Mauro aconteceu exatamente nesse contexto, nos escombros do PT. Minha hipótese é que ele herdou uma parte desse eleitorado com perfil mais a esquerda, somados àqueles com perfil crítico ao sistema político. É um confronto paralelo importante, independente da improvável vitória de qualquer um deles. Acompanhemos.

Vinicius de Carvalho é gestor governamental, analista político e professor universitário.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Opinião

Na véspera do encerramento da CPI, o “atordoado” Renan admite que as acusações contra Bolsonaro podem mudar

Renan parece que termina a CPI totalmente perdido, sem saber ao certo quais as acusações fará contra o presidente Jair Bolsonaro.

O senador alagoano foi por diversas vezes desmoralizado durante a CPI e qualquer que sejam as suas acusações estarão certamente totalmente desprovidas de credibilidade.

Perante a população, Renan sai da CPI ainda mais minúsculo, com o seu imenso mau-caratismo exposto para todo o país.

O desfecho de um de seus últimos embates na CPI, contra o empresário Luciano Hang, foi catastrófico para as suas pretensões malignas. Saiu claramente derrotado e desmoralizado, ao vivo, em rede nacional.

Afoito, mas sem estratégia, resolveu alardear os “crimes” pelos quais o presidente da República seria acusado. Teve que providenciar um humilhante recuo.

“Estou aberto a qualquer ponderação, desde que não venha a ferir a lógica. Mas este não será um relatório do Renan, mas de toda a comissão. Sempre foi meu compromisso”.

E complementou:

“A lista de crimes pode ser modificada daqui para frente. Podemos acrescentar e retirar se for o entendimento da maioria da comissão. É certo que ele prevaricou à medida que ele confessou a existência da conversa com os irmãos Miranda, e que teria pedido a pessoas encaminhamento de providências. Se essas pessoas não encaminharam providências, é óbvio que ele prevaricou”.

Quanta mediocridade!

Leia Também:  Manga com leite

Quanta safadeza!

Quanta insensatez!


Gonçalo Mendes Neto,
Jornalista.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

LEGISLATIVO

EXECUTIVO

JUDICIÁRIO

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA