Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

VINICIUS DE CARVALHO

Secretariado feminino

Uma boa notícia da semana passada vinda da Prefeitura de Cuiabá foi o fato inédito de termos nove secretárias municipais, de um total de 19. Estavam com titulares mulheres as secretarias de Governo, Gestão, Obras Públicas, Educação, Assistência Social, Trabalho, Mulher, Turismo e Procuradoria Geral do Município. Nesta terça-feira houve a designação da secretária Ozenira Félix de Souza para responder, de forma interina, pela Saúde. Deste modo foi atingida a marca de 10 secretarias entre 19, chegando a 52% do total.

Analiso aqui alguns aspectos que propiciam esta situação. O primeiro deles é o fato deste tão desejado equilíbrio de gênero ter sido alcançado num governo de centro-direita, enquanto outros mais progressistas não conseguiram. O atual prefeito Emanuel Pinheiro teve sua trajetória política desenvolvida sempre nesse campo, com passagem por partidos como PFL (hoje Dem), PR (hoje PL) e MDB (antigo PMDB). Isto não o colocaria, à primeira vista, como um político comprometido com esta causa da paridade de gênero, mais associada aos movimentos sociais e partidos de perfil mais de centro-esquerda.

Algo muito importante em política é a legitimidade. Às vezes as mudanças acontecem com sinais trocados. Bandeiras da esquerda são apropriadas pela direita e vice-versa. Porque um político que tem apoio de um determinado setor do campo político não desperta os mesmos temores na condução de reformas que um adversário causaria. É o caso da aquela famosa frase “somente Nixon poderia ir à China” cunhada quando Richard Nixon foi o primeiro presidente norte-americano a ir à China comunista no auge da Guerra Fria. Como Nixon tinha acumulado fortes credenciais anti-comunistas ao longo de sua carreira política, os setores mais conservadores dos Estados Unidos sabiam que essa aproximação visava ao fortalecimento do Partido Republicano, com perfil mais a direita.

Leia Também:  O caldeirão ferve e agita o centro político do país nesta terça

Na sua eleição para prefeito Emanuel Pinheiro também teve maior intenção de voto entre as mulheres. Isto fez com que ele apresentasse algumas propostas voltadas para este segmento, com o objetivo de consolidar sua vantagem. A principal foi a chamada hora estendida nas creches. A criação da secretaria da mulher acabou sendo mais um passo no sentido de estreitar a aproximação com o eleitorado feminino.

Um outro aspecto é a forte aliança de Emanuel Pinheiro com os servidores públicos, que vem desde sua carreira parlamentar e foi mantido na Prefeitura. A maior parte dos servidores são mulheres, sobretudo nas áreas de educação e saúde. Esta forte presença de mulheres no secretariado amplia o diálogo com elas. Não se pode esquecer também as candidatas a vereadoras, que vêm em número recorde nesta eleição. E o cumprimento da quota de gênero foi muito melhor observado agora do que em outras eleições, por conta de vários processos na justiça eleitoral e da obrigatoriedade de destinação de recursos financeiros da campanha na mesma proporção para as mulheres.

Leia Também:  A Copa do despertar feminista de Marta: “O futebol feminino depende de vocês para sobreviver”

Por fim, quando se olha apenas para esta eleição vemos que há uma candidata mulher, a advogada e servidora pública estadual Gisela Simona (PROS). É a uma forma também de neutralizar esse ativo político dela de ser a única candidata a prefeita nesta eleição em Cuiabá. Emanuel Pinheiro sempre teve bom diálogo com os partidos mais a esquerda desde a eleição passada, passando por PT e PC do B. Seguiu a aliança formada durante muito tempo em nível estadual que reuniu partidos como PR e PC do B, repetida em 2018 na coligação de Wellington Fagundes a Governador. Num eventual segundo turno, o candidato do PT Julier Sebastião pode pender para Emanuel Pinheiro, baseado numa aliança comum contra o Governador Mauro Mendes. Veremos.

Vinicius de Carvalho é gestor governamental, analista político e professor universitário.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Opinião

Leões da ascensão

Caros leitores gostaria aqui de dividir uma experiência que venho tendo e atualmente ocupa parte considerável de meu tempo, a Academia MBL

Em tempos de pandemia, crise sanitária, milhares de mortos e o abismo econômico vivenciado no desemprego e desalento de milhões de brasileiros a discussão política pode parecer distante, mas aproxima a compreensão e mudança de cenário dos fatos adversos mencionados anteriormente.

Compreendendo a mescla de aulas teóricas, atuação prática e desenvolvimento de atividades de acordo com a matriz de personalidade(cujos participantes são divididos em “Casas”:Alexandria, Atenas e Esparta) de acordo com os atributos e demais características dos participantes.

Nessa amalgama incomum encontra-se os Leões da Ascensão,grupo o qual faço parte, com pessoas das mais distintas faixas etárias, profissão, regiões e com personalidades distintas, sim somos ainda de “Casas” distintas.

O ambiente virtual das aulas somada a experiência virtual com os outros colegas é um desafio constante para todos os participantes da Academia MBL, a qualidade do curso, seus professores e o conhecimento transmitido é um capítulo a parte, mas que é impecável diga-se de passagem.

Leia Também:  Lei que institui Política de Empoderamento Feminino é sancionada

Neste pequeno texto, neste enxerto de opinião, gostaria de parabenizar todos os alunos e casas, pela dedicação, abnegação e compromisso em mudar a realidade que vivemos, com alguns passos ousados e outros singelos(como melhorar a si mesmo aprendendo mais), mas todos com significado especial, pois é isso que mudará o mundo.

Juliano Rafael Teixeira Enamoto é advogado.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

LEGISLATIVO

EXECUTIVO

JUDICIÁRIO

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA