Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

VINICIUS DE CARVALHO

Reeleição de problemas

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC) ressuscitou a polêmica sobre a reeleição para cargos no Poder Executivo num artigo publicado na imprensa no dia 05/09. Lá ele diz que, vendo agora da perspectiva histórica, a permissão de reeleição foi um erro e que seria melhor um mandato único de cinco anos, sem recondução.  Essa sua fala ocorre num momento em que os presidentes das duas casas do Congresso Nacional vem articulando a possibilidade de mandatos sucessivos na mesma legislatura.

Se esta manobra lograr êxito, será o quarto mandato consecutivo de Rodrigo Maia como Presidente da Câmara dos Deputados, totalizando seis anos e meio de gestão. Então FHC deu um recado sobre as tentações continuístas que o seduziram quando estava no auge de sua popularidade em 1996/1997. Além da permanência no poder por muito tempo e os vícios que isso traria, há o problema ainda de que esta regra ficaria a disposição de futuros presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado e pode significar um período muito longo de mandato, já que a reeleição já existe na troca de legislatura. Eles poderão ter dois mandatos consecutivos numa legislatura e começar tudo de novo na próxima e assim sucessivamente, se forem sendo reeleitos para seus mandatos parlamentares.

Leia Também:  Renivaldo diz que PSDB não definiu candidatura à prefeitura e volta a defender reeleição de Emanuel

Um outro aspecto se refere ao presidente Jair Bolsonaro, que goza da sua maior popularidade até agora. Muitos já entendem que ele está em campanha aberta pela própria reeleição, esfriando a agenda das reformas de orientação neoliberal e austeridade fiscal para se enveredar por uma política fiscal de maior gasto e presença do Estado. De certa forma, a autocrítica de Fernando Henrique dialoga com seu partido PSDB, que vê mais longe a possibilidade de voltar ao Palácio do Planalto. Com a reeleição esta é uma janela de oportunidade que só se abre a cada oito anos.

Um outro ponto que justifica essa fala é que a maré da opinião pública e dos políticos virou nesse assunto. Lá em 1997 a sua aprovação gozava de bom apoio popular, tendo chegado a 77% em 1996. Desde então veio caindo para 65% em 2005, 58% em 2007 e virou em 2015 para 67% contrários, no auge da crise econômica e política que resultou no impeachment da então Presidente Dilma. Ou seja, é notório que esta regra veio se desgastando na avaliação popular e dos políticos ao longo do tempo. Quando foi instituída, ela representava maior estabilidade para um país que teve quatro presidentes da República e 13 ministros da Fazenda em 15 anos de hiperinflação (1979-1994). Os mandatos seriam muito curtos, com uma boa quantidade de tempo gasto na adequação da administração no começo e com a sucessão no final, com pouca margem útil para governar. Hoje ela passou a ser vista como uma obsessão dos governantes, que fariam um primeiro mandato bom para obterem o segundo, deixando uma série de passivos fiscais e políticos e tornando a segunda etapa pior.

Leia Também:  Prefeitos debatem problemas na saúde com Mauro Mendes

O debate neste momento é também mais uma válvula de pressão dos partidos e do Congresso Nacional sobre Bolsonaro. As mudanças na legislação eleitoral podem ser feitas até um ano antes da eleição. Portanto, há até outubro de 2021 para alterar as regras para as próximas eleições gerais, incluindo a possibilidade de reeleição no Poder Executivo. Se a relação com o Congresso não melhorar, Bolsonaro ainda pode ter esse direito disponível hoje suspenso. Para mim estes foram os recados de Fernando Henrique sobre a reeleição.

Vinicius de Carvalho Araújo é gestor governamental, analista político e professor universitário.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Opinião

A força interior

Não fique parado na esquina da vida, esperando que o ontem seja o orientador da escolha de novos caminhos.

O passado é apenas um grande arquivo que está cheio de lições de felicidades e tristezas, de sucessos e de derrotas, por isso não fique dirigindo o seu futuro olhando pelo retrovisor, porque o passado nunca mais voltará.

O seu futuro representa um estágio incerto, mas a sua conquista depende do seu primeiro passo e da sua vontade de seguir sempre enfrente, dando passos seguros e levantando a cabeça porque o tesouro que procura, não está no chão, e sim lá no alto, onde a fé fez a morada. Entenda que é através das conquistas das coisas mais simples, que conseguimos entender a magia da vida.

O grande mentor do seu futuro é a sua própria força de vontade, é nela que está instalado o forte sentimento de vencedor, tenha certeza que todas as futuras realizações estão situadas no plano invisível, e querer conquistar ou realizar um objetivo, é acima de tudo saber entender o estágio do passado e aceitar o presente com a situação mais realística possível, porque ninguém vive no futuro sem antes planejar o presente.

Leia Também:  Renivaldo diz que PSDB não definiu candidatura à prefeitura e volta a defender reeleição de Emanuel

Não fique parado na esquina da vida, esperando que o ontem seja o orientador

Perceba que em todos os momentos, aquilo que chamamos de destino, está a nos oferecer uma vaga de aprendiz na escola da vida, e em todos os momentos recebemos orientações poderosas, mas por serem silenciosas, não conseguimos ouvi-las.

Às vezes não pressentimos os fatos que podem ocorrer contra ou a nosso favor, porque somos transformados em escravos das nossas rotinas desnecessárias, porque muitos dormem com os olhos dos outros e acorda sem visão do mundo real.

Não devemos deixar que as influências externas tomem conta das nossas decisões, é por isso que existem pessoas perdidas pelo meio do caminho ou deitadas nos divãs tentando organizar os pensamentos permutados por falta de amor próprio e as vezes até impróprios.

Wilson Carlos Soares Fuáh é especialista em Recursos Humanos e Relações Sociais e Políticas.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

LEGISLATIVO

EXECUTIVO

JUDICIÁRIO

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA