Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

MAX RUSSI

Autorreforma do PSB

As eleições 2022 já despontam em um horizonte próximo. Os partidos políticos já começam a se organizar para conseguir fazer um bom projeto de governo, que é fundamental para oferecer soluções para este momento pelo qual passamos, marcado pela crise provocada pelo coronavírus, que expôs ainda mais os abismos sociais, econômicos e políticos que existem na sociedade.

O PSB vem se organizando de uma forma diferente. Estamos promovendo em âmbito nacional a Autorreforma, uma reestruturação no jeito que pensamos, fomentamos e executamos nosso projeto político-partidário.

Acreditamos que o partido deve se posicionar e oferecer respostas às principais necessidades da sociedade. Por essa razão, o primeiro eixo temático da Autorreforma do PSB se concentra nas necessidades de reforma do Estado brasileiro.

Essa discussão leva em consideração as reformas estruturantes que o país precisa enfrentar para que o desenvolvimento econômico e sustentável seja, de fato, uma realidade.

A Autorreforma também tem discutido em seu segundo eixo a economia, com foco na prosperidade, na igualdade e sustentabilidade, preocupando-se no desenvolvimento à serviço das pessoas e da vida.

PSB está focado no desenvolvimento sustentável e na economia verde

Leia Também:  Sua equipe não serve para nada?

Neste sentido, o PSB está focado no terceiro eixo de discussão no desenvolvimento sustentável e na economia verde, que são temas que o mundo inteiro tem se debruçado, e nós, principalmente, Mato Grosso, temos um papel preponderante nessa discussão, porque somos produtores de commodities que abastecem o mercado internacional, e também temos reservas ambientais de grande relevância que concentram três importantes biomas: Amazônia, Cerrado e Pantanal.

Dois outros eixos complementam as discussões da Autorreforma, sendo a temática IV que trata sobre Políticas Sociais e Cidades Criativas e a V, que discute Socialismo Criativo, Democracia e Partido.

A Autorreforma demonstra ser um diálogo indispensável em nível de partido e de Brasil, porque infelizmente, enquanto sociedade brasileira deixamos de lado alguns temas que são fundamentais para nosso crescimento amplo, qualificado e eficiente.

Dessa forma, vemos que grandes crises como a pandemia tem nos afetado de forma muito mais agressiva do que se estivéssemos estruturados com um sistema político sólido, uma economia autossustentável – sem tanta dependência dos incentivos do Estado – e condições de vida dignas para todos os cidadãos.

Leia Também:  Qual o papel da escola na pandemia do Covid-19?

Pensar a Autorreforma de forma macro política e macroeconômica inclui pensar os desafios que Mato Grosso também possui. Precisamos agregar de forma urgente outros setores, como a agricultura de pequeno porte, os setores de comércio, serviço e indústria, e ter um olhar atento ao mercado informal de trabalho que cresce cada dia mais por conta do empreendedorismo de necessidade, que é protagonizado pelos trabalhadores que perderam o emprego por conta da pandemia.

São muitas frentes que precisamos nos preocupar, e o PSB assumiu essa responsabilidade de pensar em nome do coletivo e para o coletivo. Queremos contribuir em 2022 com um plano de ação sólido, que estanque as feridas no presente e pavimente o caminho para um futuro próspero e com resultados progressivos, que elevem os níveis da forma que se faz política, como se estimula a economia criativa, inclusiva e abrangente, e que cada dia mais promova o acesso de todos ao desenvolvimento e a condições de vida melhores.

Max Russi é presidente estadual do PSB-MT e deputado estadual.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Opinião

26 anos de orgulho LGBTQIA+ em Cuiabá

Há 26 anos, um inquieto grupo de amigos, formado por mim, José Augusto Barbosa Filho, Gisele Maia, Luiz Pita, Júlio Bedin, Alessandro Teixeira e Gustavo Brandão (in memorian), decidiram que era a hora de Cuiabá entrar definitivamente na efervescente “Cena LGBT” do mundo e realizaram o evento que marcou o renascimento da Cena G, com a Festa MASCARADE.

O levante do Bar Stonewall em Nova Iorque, acontecido havia pouco mais de 20 anos, em 1969, e a inquietude que percorria o mundo acendeu essa pequena fagulha na tentativa de mudar a narrativa de uma cena inexistente. Um passo de construção das identidades de uma geração tão escondida em seus armários.

Sabíamos que seria um grande desafio, mas incentivado pelos amigos, foi ganhando coragem e determinação para apresentar um espaço libertário onde a principal regra era não ter regras.

Assim, numa conversa com Alfredo Martins e Glória Albuês, conseguimos um local para o evento, o imóvel, localizado à Av. Barão de Melgaço, esquina com a Thogo Pereira. Assim, nasceu o primeiro grande momento da Cena “GLS” de Cuiabá, com a inesquecível festa Mascarade.

Leia Também:  OPINIÃO DO DIA: Valtenir alçando voos nacionais e mudando regras de mandatos

Há 26 anos, grupo de amigos decidiu entrar na efervescente “Cena LGBT”
O flyer, na época ainda chamado de panfleto, e a concepção do evento teve como fonte de inspiração a diva pop Madonna, tanto que é ela quem ilustra a arte, com uma máscara propositalmente colocada, mas que seria arrancada de vez naquela noite para revelar uma geração escondida pelo medo e preconceito.

Madonna era uma referência para tudo naquele momento dos anos 90, mas esse é um capítulo à parte.

A noite contou com muitas inovações : deejays especiais, decoração temática, shows e pela primeira vez “gogoboys” dançando na pista e animando o público.

A festa lotou de modo impressionante, numa época em que não havia, como hoje, a força das redes sociais e whats app, e a divulgação foi feita no boca a boca e distribuição discreta dos flyers.

Mascarade, realizada em 22 de julho de 1995, é sem dúvida, o grande marco da construção da cena LGBTQIA+ de Mato Grosso.

Uma cena que já vinha sendo construída nos bastidores por pequenos grupos e amigos do Menotti Griggi, que eclodiu, até chegar na Cena que Cuiabá vive nos dias de hoje.

Leia Também:  Cadastro positivo

Hoje fazemos uma reflexão das dores nessa caminhada, das perdas de muitas pessoas para a homofobia. Amigos muito próximos que estiveram juntos na construção das identidades e espaços.

Nessa luta afirmamos também os ganhos.

Espaços novos, militância, avanços políticos e a Parada da Diversidade de Cuiabá.

Um Olhar para o passado que ganhou forças para o futuro onde não há o que temer, a não ser a luta.

MASCARADE foi o grande passo para que hoje a população LGBTQIA+ possa dizer: CUIABÁ TEM SUA HISTÓRIA, respeito e luta.

Menotti Grigi é jornalista e ativista cultural.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

LEGISLATIVO

EXECUTIVO

JUDICIÁRIO

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA