Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

DIVERSIDADE

Programa de irrigação vai ajudar pequeno produtor a colher mais

Mato Grosso é o único Estado do Brasil a ter três biomas: Amazônia, Cerrado e Pantanal. Apesar dessa diversidade de vegetação, o clima no Estado é bem definido e dividido em duas fases: período chuvoso e o de seca. Nesse último, os produtores rurais que não têm irrigação em suas propriedades acabam amargando prejuízos. Isto porque a seca afeta diretamente no rendimento das lavouras, fazendo com que seja produzido uma menor quantidade de alimentos e, consequentemente, fazendo que os produtos agrícolas disponíveis na época da seca subam de preços por conta da baixa oferta. Ter a colheita prejudicada entre os meses de junho a outubro era um problema vivido pelo produtor de limão tahiti do município de Itiquira, Rubens Soares Ribeiro, 35 anos. A solução só surgiu quando decidiu investir em irrigação.  “Antes da irrigação nossos limões na época da seca não cresciam. Era menor e com pouca polpa. Já com irrigação produzimos limões o ano todo, além da fruta fica maior, com mais caldo, e com produtividade maior, já que o pé de limão irrigado dá mais frutos do que aquele que não é”, explica Rubens Ribeiro.

Implantar um sistema de irrigação rural tem um custo elevado. Rubens Ribeiro por exemplo optou por irrigação por microaspersão e investiu R$ 2,5 mil em 300 metros de área plantada. Valor inviável para a grande maioria dos 140 mil produtores familiares de Mato Grosso. Frente a esse cenário, o Governo do Estado, através da Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (Seaf), prepara um eixo de atuação para ser colocado em ação em 2021, voltado exclusivamente para a irrigação em pequenas propriedades.

Leia Também:  Água Boa terá mais 10 leitos de UTI exclusivos aos pacientes do coronavírus

A ação de governo denominado ‘Mato Grosso Produtivo – Irrigação’ vai investir R$ 57 milhões em conjuntos de irrigação, a serem implantados em 50 municípios das regiões oeste e centro-sul. A seleção de cidades participantes do programa e os critérios de participação dos produtores familiares ainda serão definidos nas próximas semanas.

De acordo com o secretário de Estado de Agricultura Familiar, Silvano Amaral, a meta é implantar conjuntos de irrigação em 2 mil hectares, sendo esse total dividido em um por família. “Dessa forma atenderíamos 2 mil famílias, das mais diversas culturas produtivas”, comenta o secretário.

O foco, acrescenta Silvano Amaral, é atender cadeias produtivas da fruticultura (banana, maracujá, limão, abacaxi e mamão), olericultura (hortaliças), horticultura (mandioca), além da cultura do café, do cacau e da pecuária. Pela ação haverá contrapartida das prefeituras, através do custeio de deslocamento dos técnicos até as propriedades por um período de 24 meses, e também por parte dos produtores familiares, que ficarão responsáveis por arcar com os custos de mão-de-obra e insumos das culturas implementadas.

Leia Também:  Max Russi quer ‘aluguel social’ às mulheres vítimas de violência doméstica

“Além de gerar empregos, esse programa ajuda atenuar um grave problema enfrentado por todos nós ano a ano, que é o de ver os produtos agrícolas subirem na época da seca, e o principal, faz com que o produtor familiar tenha maior renda ao lhe proporcionar que não fique sem produção na época que as chuvas ficam mais escassas”, finaliza o titular da Seaf.

‘Mato Grosso Produtivo”

O principal programa de atuação da Seaf é denominado ‘Mato Grosso Produtivo”, em que é dividido em oito eixos de atuação: irrigação, bacia leiteira, poços artesianos, cacau, café, feiras, sistemas agroflorestais e rede e-commerce.

Neste ano até 2022 serão destinados R$ 185 milhões em recursos públicos a serem investidos em ações que fortaleçam a atividade do produtor familiar de todas as regiões do Estado.

Fonte: GOV MT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Municipios

Decreto que suspende processo seletivo de diretores das escolas estaduais será votado na ALMT

O Projeto de Decreto Legislativo nº 12/2020, que suspende o processo seletivo para diretores das escolas estaduais, será votado nesta quarta-feira (25), durante sessão plenária na Assembleia Legislativa de Mato Grosso. Para o deputado estadual Henrique Lopes, autor da proposta, o Edital 005/2020, da Secretaria de Estado de Educação (Seduc-MT), é um ataque à gestão democrática da educação, que determina, entre outras coisas, a eleição de diretores por meio de voto da comunidade escolar.

Também será votado o Projeto de Decreto Legislativo nº 11/2020, com objetivo de suspender a Portaria 454/2020, da Seduc-MT, que constituiu uma comissão para formular regras de organização do processo de designação dos profissionais para direção das escolas.

“Não podemos pegar um diretor que não possui vivência naquele espaço escolar. Caso, por exemplo, da educação indígena, onde os caciques das aldeias do Xingu já fizeram um abaixo-assinado contra o fim da eleição de diretor. A chegada de uma pessoa que não vive em determinada comunidade impede que sejam feitas as intervenções devidas. Pedimos apenas que a eleição seja respeitada. Qual a intenção do governador Mauro Mendes em acabar com um processo democrático?”, questionou.

Leia Também:  Reunião discute obras na região noroeste de MT

O parlamentar ressaltou que o diretor não é um cargo, mas sim uma função do professor, que deve ser eleito democraticamente pela comunidade escolar. De acordo com ele, apenas com a mobilização de todos que acreditam na educação pública e gratuita será possível reverter processos como esse.

Fonte: ALMT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

LEGISLATIVO

EXECUTIVO

JUDICIÁRIO

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA