Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

Municipios

População do noroeste mato-grossense reivindica pavimentação de rodovias

A definitiva pavimentação de uma nova rota que torne viável economicamente o escoamento da produção gerada na região do Vale do Teles Pires, incluindo os municípios de Colniza, Aripuanã, Juruena, Cotriguaçu, Nova Bandeirantes, Nova Monte Verde, Apiacás e Paranaíta, é a principal necessidade da população do noroeste de Mato Grosso. No trajeto atual, para acessar a BR-163, a produção do Vale do Teles Pires, por exemplo, precisa percorrer 315 quilômetros, passando pelas rodovias MTs-208/320, nos municípios de Nova Canaã do Norte e Colíder, o que encarece o frete e o custo final da produção, diminuindo a competitividade dos produtos no mercado local.

Essa é a principal reivindicação do povo do Teles Pires que esteve presente à audiência pública articulada pelo deputado Pedro Satélite e realizada pela Assembleia Legislativa na sede da subsecção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de Alta Floresta, na noite de sexta-feira (13). O evento discutiu a pavimentação do traçado que liga as rodovias estaduais MTs-419/389/320/208 à BR-163, passando pelos municípios de Alta Floresta, Carlinda, Distrito Cristalino do Norte (antiga Cinco Mil), Novo Mundo e Guarantã do Norte. O trecho é de 172 quilômetros, dos quais 59 são pavimentados. A questão do aeroporto e de fomento a atividades agropecuárias também fizeram parte da pauta.

O autor do pedido de audiência, deputado Pedro Satélite,  enalteceu o potencial econômico da região do Vale do Teles Pires na produção agrícola e agropecuária, ressaltou a falta de logística para o escoamento da produção e sugeriu uma solução. “Estamos falando de uma região altamente produtiva, mas que sofre com a falta de logística para escoar a produção. E há uma alternativa, através da BR-163, acessando os portos de Miritituba e Santarém, ambos no estado do Pará. Isso encurtaria o trajeto em 140 quilômetros, tornando nossos produtos mais competitivos para exportação ao mercado europeu e asiático”, sugeriu Satélite, lembrando que a BR-163 inicia no Rio Grande do Sul, termina em Santarém, no Pará, e onde já está pavimentada houve desenvolvimento.

Leia Também:  Escola em Cotriguaçu reivindica quadra coberta, climatização e garantia de energia elétrica

Satélite apresentou dados de um relatório realizado pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) sobre os números atuais da produção e economia local e que aponta para um grande potencial de crescimento do agronegócio em toda a região noroeste. O empresário Antero Siqueira da Silva, membro da comissão especial, formada por empresários e representantes de entidades civis organizadas em prol do desenvolvimento da região, disse que “agora (depois da audiência pública) é aliar com os parlamentares e o governo para que o sonho dessas rodovias se realize”.

De acordo com Satélite, além dele, os deputados Romoaldo Júnior (MDB), Nininho (PSD), Valdir Barranco (PT) e Ademir Brunetto (PSB) estão lutando por recursos pela região noroeste. Este último, que também esteve na audiência pública, disse que “a chegada de rodovias é uma obra fundamental. Milhares de hectares de terra serviram por muitos anos a pecuária e agora precisa ser melhorada para a agricultura, que depende de estrutura viária para escoar a produção”. Para ele, o debate é um início importante e o governo precisa ser parceiro para concluir as negociações em torno de um resultado concreto.

Leia Também:  Deputado reivindica melhorias para o município de Jauru

Para o secretário de Estado de Infraestrutura e Logística de Mato Grosso, Marcelo Duarte, a grande notícia sobre a construção dessas estradas marginais no noroeste é que elas serão feitas com recursos da iniciativa privada. “São quase R$ 500 milhões a serem investidos nestas rodovias e essa é uma iniciativa inovadora, os deputados articularam o governo e isso tudo vai trazer os recursos. Também sobre o aeroporto de Alta Floresta, foi incluída a concessão e já há uma empresa alemã que visitou a região e está interessada, são outros R$ 70 milhões”, disse.

O secretário de Articulação Política do governo, Domingos Sávio, complementou: “há um real interesse do governador em resolver a questão das rodovias do noroeste, aumentando o eixo de exportação”.

“Nossa intenção é unir forças para tornar esse sonho uma realidade, e isso só vai acontecer se houver o engajamento de todos, e é isto que estamos buscando”, finalizou Pedro Satélite.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Municipios

Serra Nova Dourada festeja seus 21 anos com ações do Governo do Estado

Serra Nova Dourada, localizado na região do Xingu, no Nordeste mato-grossense, distante 868 quilômetros de Cuiabá, comemora seu 21º aniversário de emancipação política nesta quarta-feira (30.09) com ações do Governo do Estado em infraestrutura, saúde e com repasses financeiros em dia.

Com investimentos de R$ 65 milhões, 56,2 quilômetros da MT 322, ligando o município a Novo Santo Antônio, estão sendo pavimentados. Prevista para ser concluída em maio do próximo ano, a obra está com 42% dos serviços executados.

O Governo do Estado também está contribuindo com a prefeitura no combate à pandemia da Covid-19. Foram enviados ao município 150 testes rápidos para detecção do coronavírus e medicamentos para combatê-lo, num total de 6.060 comprimidos, entre azitromicina (743), ivermectina (594) e dipirona (4.703), também distribuído em gotas, num total de 116 frascos.

Os repasses financeiros também estão em dia. Entre janeiro de setembro deste ano, foram transferidos aos cofres municipais R$ 2,839 milhões referentes a ICMS, IPVA e Fethab, além de outros R$ 494,9 mil em assistência social, transporte escolar e convênios na área de Saúde, entre 2019 e julho deste ano.

Leia Também:  Deputado reivindica melhorias para o município de Jauru

Economia

Terceira menor população de Mato Grosso, com 1.678 habitantes, Serra Nova Dourada tem na agropecuária e na administração pública os principais componentes de seu Produto Interno Bruto (PIB), avaliado em R$ 36,06 milhões em 2017 pelo IBGE.

Embora seu PIB total seja o 137º do ranking estadual, o PIB per capita, de R$ 22.899,55, ocupa a 89ª posição.

Em 2018, foi o sétimo maior produtor estadual de tambacu e tambatinga, com 400 toneladas e o 11º em produção de tilápia, com 15 toneladas.  Possui um rebanho bovino com 96,8 mil cabeças; galináceo, com 15,3 mil cabeças; e suíno, com 1,9 mil cabeças, das quais 201 matrizes.

Na agricultura, o carro-chefe é a soja, com 21,8 mil toneladas colhidas em 2018, segundo o IBGE, e avaliadas em R$ 19,6 milhões. Produz também milho (1.260 toneladas), mandioca (mil toneladas) e arroz (900 toneladas).

História

Serra Nova Dourada foi criado pela Lei estadual 7.172,de 30 de setembro de 1999, com território desmembrado dos municípios de Alto Boa Vista e São Félix do Araguaia.

Leia Também:  Projeto aperfeiçoa articulação entre plano diretor municipal e políticas públicas

Em 1995, a comissão pró-emancipação do ainda distrito de Serra Nova, então pertencente a Alto Boa Vista, requereu à Assembleia Legislativa abertura do processo de criação do município.

À denominação Serra Nova foi acrescentado o termo “Dourada”, por sugestão da futura comunidade serra-douradense. Nas eleições de outubro de 2000, foi eleito o primeiro prefeito do município.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

LEGISLATIVO

EXECUTIVO

JUDICIÁRIO

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA