Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

Legislativo

Proposta ao orçamento apresenta um déficit de R$ 700 milhões

Na manhã dessa terça-feira (25), a Assembleia Legislativa realizou a audiência pública para discutir o projeto de Lei de Diretrizes Orçamentária (PLDO-2020). De autoria do governo do estado, o projeto 580/2019 ou Mensagem 100/2019, é peça fundamental à elaboração da Lei Orçamentária Anual (PLOA/2020) – que deve ser encaminhado ao Legislativo estadual até o mês […]

Na manhã dessa terça-feira (25), a Assembleia Legislativa realizou a audiência pública para discutir o projeto de Lei de Diretrizes Orçamentária (PLDO-2020). De autoria do governo do estado, o projeto 580/2019 ou Mensagem 100/2019, é peça fundamental à elaboração da Lei Orçamentária Anual (PLOA/2020) – que deve ser encaminhado ao Legislativo estadual até o mês de setembro.

O primeiro debate em torno do PLDO-2020 foi requerido pela Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR). Presidindo a Mesa, o deputado Dilmar Dal´Bosco (DEM) afirmou que a audiência foi essencial para a equipe econômica do governo explicar como serão aplicadas as receitas e como serão as despesas orçamentárias do próximo ano.

“Os números apresentados pelo Estado são realista. Na Lei Orçamentária Anual de 2019, a Assembleia aprovou um orçamento com déficit de R$ 1,6 bilhão, e agora, se pagar o que tem despesa em 2020, o saldo devedor deve chegar a pouco mais de mais de R$ 700 milhões. Isso é preocupante. Por isso o Estado está fazendo os ajustes necessários e os números demonstram a realidade do que tem entre receita e despesa”, explicou Dal Bosco.

De acordo com o presidente Dilmar Dal Bosco, o deputado Dr. Eugênio foi definido para ser o relator do PLDO-2020 na CCJR. Após a proposta ser analisada pela CCJR, a peça orçamentária vai para a 1ª votação em Plenário. Depois disso, o Projeto de Lei 580/2019 será encaminhado à discussão na Comissão de Fiscalização Acompanhamento da Execução Orçamentária e na sequência para a 2ª votação em Plenário.

Para 2020, o PLDO está estimando uma receita de R$ 19,155 bilhões, e uma despesa de R$ 19,863 bilhões, gerando um déficit de R$ 708 milhões aos cofres públicos. Para explicar a peça orçamentária aos deputados e a sociedade, esteve presente o Secretário Adjunto de Orçamento Estadual da Secretaria de Fazenda (Sefaz), Ricardo Roberto de Almeida Capistrano. Ele representou o titular da pasta, Rogério Gallo.

Leia Também:  Proposta suspende pagamento de empréstimo consignado durante a pandemia

De acordo com Capistrano, o governo vem trabalhando para equilibrar as contas entre receita e despesa para o próximo ano. “Atingir o equilíbrio orçamentário passa pelo cumprimento das Leis aprovada em janeiro deste ano pela Assembleia Legislativa. Mas outras medidas estão sendo tomada como, por exemplo, a revisão das concessões de benefícios fiscais. O prazo é de até 30 de julho deste ano e o projeto deve ser enviado ainda este mês para o Parlamento”, explicou o secretário.

O adjunto disse ainda que a arrecadação do Estado já apresentou melhora no último mês e que é resultado aplicado pelo governo no mês de janeiro deste ano. “No momento que você controla despesa, tenta ser mais eficiente e, com isso, busca mecanismo para aumentar a receita mantendo dessa forma convergência para o equilíbrio financeiro. Esse equilíbrio deve ser alcanço no próximo ano”, explicou Capistrano.

Questionado sobre o pagamento da Revisão Geral Anual (RGA) e do cumprimento da Lei Complementar 510/2013, Capistrano disse que no PLDO/2020 os valores ficam condicionados ao cumprimento dos limites do orçamento e da capacidade de financiamento que o Estado possa ter no próximo ano para cumprir as obrigações de pagamento de RGA e da Lei 510/2013.

Leia Também:  Bancos aumentam projeção de déficit das contas públicas

Para o estado sair da crise financeira em 2020, o deputado Xuxu Dal Molin (PSC), disse que os Poderes têm que “cortar na carne” os privilégios e com isso reduzir os gastos com pessoal. Segundo ele, sobraria mais dinheiro para o governo investir em obras de infraestrutura em todos os 14 municípios mato-grossenses.

“É preciso que todos os Poderes reduzam o orçamento. A Assembleia tem que cortar 30% do duodécimo. O interior está abandonado e falta quase tudo. O melhor programa social é a geração de empregos,e não dá mais para levar a crise financeira com a barriga”, disse Dal Molin.

Até o fechamento desta edição, os deputados tinham apresentados 27 emendas ao texto original do PLDO-2020. Mas eles têm até o dia 5 de julho para emendar a proposta. De acordo com presidente, Eduardo Botelho (DEM), a Mesa Diretora deve votá-lo até o dia 15 de julho, antes do recesso parlamentar.

O calendário da tramitação do PLDO/2020 será da seguinte forma:

02/07 – audiências públicas realizada pela Comissão de Fiscalização
Até 05/07 – apresentação de emendas
Até 08/07 – parecer preliminar à LDO
Até 09/07 – parecer da Comissão de Fiscalização e Acompanhamento da Execução Orçamentária – CFAEO e da Comissão de Constituição, Justiça e Redação – CCJR
Até 09/07 – primeira votação em Plenário
Até 10/07 – segunda votação em Plenário

 

Da Redação, com informação da Assessoria

Foto: KAREN MALAGOLI

 

COMENTE ABAIXO:

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Legislativo

Projeto prorroga até abril pagamento do auxílio emergencial, com valor de R$ 600

O Projeto de Lei 5650/20 prorroga o pagamento do auxílio emergencial como medida de enfrentamento à pandemia de Covid-19, com valor de R$ 600, até abril deste ano. O auxílio foi criado pela Lei 13.982/20 para atender pessoas em situação de vulnerabilidade social durante a emergência de saúde pública provocada pela doença. O projeto tramita na Câmara dos Deputados.

Pago desde abril de 2020, sendo as cinco primeiras parcelas de R$ 600 e as quatro últimas de R$ 300, o auxílio emergencial acabou extinto em 31 de dezembro do ano passado, juntamente com o fim da vigência do decreto 6/20, que reconheceu a situação de emergência de saúde no País.

Cleia Viana/Câmara dos Deputados
Audiência Pública - Tema: Discussão sobre o PL 2881/19. Dep. Chiquinho Brazão (AVANTE - RJ)
Chiquinho Brazão: auxílio traz vantagens sociais e econômicas

Autor do projeto, o deputado Chiquinho Brazão (Avante-RJ) avalia que as vantagens sociais e econômicas trazidas pelo auxílio emergencial devem ser mantidas. “Ainda que de forma temporária, o benefício contribuiu para reduzir o índice de pobreza da população e para manter a atividade econômica”, diz Brazão.

Leia Também:  Antes de lançamento oficial, nota de R$ 200 falsa já circula

“Caso o auxílio não tivesse sido oferecido desde abril de 2020, o índice de pobreza teria saltado para 36% durante a pandemia. Além da queda de renda da população, o fim do benefício vai afetar a arrecadação de estados e municípios e os pequenos comércios locais”, acrescentou.

STF
Uma liminar concedida pelo ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), em 30 de dezembro de 2020, garantiu a prorrogação das medidas sanitárias de enfrentamento à pandemia, mas não prorrogou o decreto que reconheceu o estado de calamidade pública nem o pagamento do auxílio-emergencial.

Na prática, com o fim do estado de calamidade, o governo volta a ficar submetido às imposições da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), sendo obrigado a cumprir metas de execução do orçamento e limites de endividamento e de gastos com pessoal, o que reduz sensivelmente os recursos disponíveis para financiar políticas de assistência social e ações emergenciais na saúde e no setor produtivo.

Saiba mais sobre a tramitação de projetos de lei

Reportagem – Murilo Souza
Edição – Ana Chalub

Leia Também:  Plenário aprova endurecimento de penas para desvio de recursos públicos reservados à pandemia

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

LEGISLATIVO

EXECUTIVO

JUDICIÁRIO

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA