Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

Judiciário

Por meio do exemplo, servidores do Tribunal de Justiça tornam ambiente de trabalho mais sustentável

As ações de sustentabilidade do Poder Judiciário não ficaram apenas no papel e já começam a dar frutos por meio de pequenas atitudes do dia a dia. Com o aumento da informação sobre o assunto, várias pessoas já entendem que a geração de lixo e o uso descontrolado de recursos naturais são grandes causadores de danos ambientais. Tudo isso, incentivado pelo Núcleo de Inovações ligado a Coordenadoria de Planejamento do Judiciário mato-grossense.
As mudanças significativas ganham muito mais força quando têm o engajamento de vários indivíduos. O desperdício de água, energia elétrica, alimentos, papel e embalagens não precisa ser normal. Essa atitude só reforça a cultura do consumo e do descarte, estimulando o uso desenfreado de recursos naturais.
No Tribunal de Justiça dois bons exemplos, podem ser seguidos, como é o caso de atitudes simples, como da equipe da Ouvidoria que adotou apenas dois cestos de lixo (um orgânico e outro reciclável) para todo o departamento. Antes cada servidor possuía um cestinho debaixo da mesa e a produção de lixo era bem maior, agora com apenas dois a consciência de descartar algo é bem maior.
Também na Escola dos Servidores o exemplo também passou a fazer parte do cotidiano. O servidor Ênio Póvoas conta que, durante todas as capacitações, os usuários do espaço são alertados a levar uma garrafinha de água e a usar as próprias xicaras de café. “Nosso plano esse ano é não ter gastos com copos descartáveis. O Poder Judiciário têm e deve ser exemplo com o bom uso dos recursos públicos. Nós, servidores, também temos esse papel importante de cumprir nossas metas e objetivos. Um deles é minimizar nosso consumo e tornar o ambiente mais sustentável”, ponderou.
O Núcleo Socioambiental também é um dos parceiros no incentivo a práticas sustentáveis para reduzir gastos, evitar desperdício e contribuir com o meio ambiente. O setor tem como premissa estimular a reflexão e mudanças dos padrões de consumo de magistrados e servidores e contabiliza outras práticas que também integram a lista de ações voltada à responsabilidade social do Poder Judiciário de Mato Grosso. Dentre elas, estão o Plano de Logística Sustentável, ferramenta de planejamento que permite ao órgão ou entidade estabelecer práticas de sustentabilidade e racionalização dos gastos e processos na Administração Pública.
 
Ulisses Lalio
Coordenadoria de Comunicação do TJMT
COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Coronéis afirmam que ex-governador mandou destruir provas; delegada quer ouvir Taques
Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Judiciário

RONDOLÂNDIA: Prefeito é preso por suposto crime de corrupção

O Grupo Operacional do Núcleo de Ações de Competência Originária (Naco – Criminal), com auxílio do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), prendeu na manhã desta quarta-feira (30), o prefeito do município de Rondolândia, Agnaldo Rodrigues de Carvalho.

A ordem de prisão preventiva foi do desembargador Marcos Machado, atendendo ao pedido formulado pelo coordenador do Naco, procurador de Justiça Domingos Sávio de Barros Arruda, com base nas provas colhidas em inquérito policial que apura suposto crime de corrupção cometido pelo prefeito e, também, pela ex-secretária de Saúde do município, Katia Monteiro.

Segundo apurado, ambos receberam propina do empresário Nélio de Matos Júnior em contrato celebrado entre a empresa F.M. da S. Santos com a prefeitura de Rondolândia, visando o fornecimento de serviços de plantão médico. O empresário estaria pagando aos médicos vinculados à empresa um valor menor do previsto no contrato e a diferença ele repassava ao prefeito e à ex-secretária de Saúde.

No mês de agosto, durante cumprimento de mandados de busca e apreensão policiais do Naco e do Gaeco conseguiram apreender com Nélio de Matos Júnior, uma agenda e anotações constando a “contabilidade” da propina que era paga, bem como comprovantes de depósitos feitos em contas correntes de terceiros indicados pelo prefeito e pela ex-secretária.

Leia Também:  Informalidade, tecnologia e humanização - veja as novas tendências do trabalho

Segundo o delegado Rodrigo Azem, que comanda o Grupo Operacional do Naco, depois de ser apreendido todo esse material o empresário resolveu confessar o esquema criminoso. “Ele não teve como negar que pagava a propina desde o início do contrato que foi firmado entre a empresa dele e a prefeitura, embora, muita coisa ele deixou de revelar, porém estamos apurando tudo”, afirmou.

Na ocasião em que os mandados de busca e apreensão foram cumpridos, segundo ele, o prefeito Agnaldo Rodrigues de Carvalho fugiu da cidade ao perceber a movimentação dos policiais em Rondolândia. Na sua casa foram apreendidos não apenas documentos, mas, também armas e munições irregulares.

MOTIVOS DA PRISÃO: De acordo com a ordem judicial, a prisão preventiva ocorrida nesta quarta feira busca garantir a ordem pública, evitar a reiteração criminosa, assegurar a aplicação da lei penal e, também, por conveniência da instrução criminal.

Segundo o coordenador do Naco, procurador de Justiça Domingos Sávio de Barros Arruda, o inquérito policial deverá ser encerrado com a prisão e o interrogatório do prefeito e de outras pessoas envolvidas no esquema. Depois disso, no prazo máximo de quinze dias, será apresentada a denúncia criminal contra os envolvidos perante o Tribunal de Justiça.

Leia Também:  Coronéis afirmam que ex-governador mandou destruir provas; delegada quer ouvir Taques

Fonte: MPMT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

LEGISLATIVO

EXECUTIVO

JUDICIÁRIO

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA