Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

OPORTUNIDADE

Abertas inscrições para interessados em atuar como peritos, intérpretes e tradutores na Justiça do Trabalho

Profissionais que desejam atuar como peritos, tradutores e intérpretes em processos que tramitam na Justiça do Trabalho em Mato Grosso precisam se cadastrar no Sistema Eletrônico de Assistência Judiciária (AJ-JT).

As regras estão contidas no Edital de Credenciamento 03/2020. Conforme documento, devem fazer o cadastro mesmo os profissionais que já atuam na área no âmbito do TRT/MT. Isso corre por conta da implantação de um novo sistema, lançado nacionalmente este ano.

Ouça esta matéria

Entre as melhorias do AJ-JT está um maior controle dos gastos públicos uma vez que, por meio do sistema, também será feito o pagamento dos peritos nos processos em que tal incumbência ficar a cargo da União.

Cadastramento

Os interessados deverão apresentar uma série de documentos, incluídos os básicos, como os de identificação com fotos e comprovante de endereço, até diplomas/certificados de cursos realizados e a carteira do conselho ou órgão de classe, em caso de filiação obrigatória.

Os profissionais deverão ainda fornecer as informações exigidas durante o cadastro, bem como anuir com o Termo de Compromisso relativo às exigências e às obrigações impostas na Resolução CSJT n. 247, de 2019 e nos demais atos normativos referentes ao assunto.

Leia Também:  Prêmio Professores do Brasil tem inscrições abertas em 15 de abril

Ao efetuar o cadastramento, os profissionais deverão informar o município em que pretendam atuar, não havendo impedimento para que atuem em mais de uma localidade, desde que respeitados os termos do Edital de abertura das inscrições e a Resolução CSJT n. 247/2019.

A aprovação ou não do cadastro será informada ao interessado no prazo máximo de 30 dias, contados da entrega da documentação completa, no endereço eletrônico fornecido.

Conforme o Edital, “O cadastramento destina-se a habilitar os profissionais (peritos, tradutores e intérpretes) que já prestem ou desejem prestar os serviços de perícia, tradução e interpretação nos autos dos processos judiciais, inclusive aqueles que envolvem justiça gratuita, de competência deste Regional”.

Tribunal Regional do Trabalho de Mato Grosso

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Judiciário

Corregedoria lança manual para auxiliar o trabalho do juiz leigo

Todas as informações necessárias para que o juiz leigo do Poder Judiciário de Mato Grosso desenvolva as suas funções de forma correta, célere e eficiente estão disponíveis no “Juiz Leigo Manual do Usuário”. Elaborado pelo Departamento de Apoio aos Juizados Especiais (Daje), da Corregedoria-Geral da Justiça, o manual traz, em suas 93 páginas, informações úteis para a execução do trabalho diário do juiz leigo, desde os programas e sistemas utilizados pela Justiça Estadual, como Projudi e PJe, até as normas que regem suas atividades. “O manual foi pensado como uma fonte constante de consulta a esses profissionais”, disse o juiz auxiliar da CGJ, Gerardo Humberto Alves Silva Júnior.

A publicação traz, nas primeiras páginas, a visão geral das atividades do juiz leigo, como procedimento para obter sentenças de determinado programa, gerar certidão, confirmação de assinatura, lançamento de nota fiscal e fechamento do mês. Explica o que é e como funciona o Protocolo Administrativo Virtual (PAV), o Processo Judicial eletrônico (PJe), o Processo Judicial Digital (Projudi) e ainda fornece a relação de telefones e e-mails úteis aos profissionais. Por fim, apresenta uma seleção de provimentos, portarias e resoluções atinentes às atividades do juiz leigo.
Todo o processo, desde a escolha dos temas a serem tratados e depois a forma de disponibilizá-los, de maneira clara e objetiva, foi bastante trabalhoso, destacou a diretora do Daje, Karine Márcia Lozich Dias. “Nós fizemos um levantamento de todos os assuntos e dúvidas que eram apresentadas ao nosso departamento pelos juízes leigos, principalmente os que acabavam de ingressar na profissão, e o manual buscou preencher essa lacuna, levando respostas a todas as dúvidas desses profissionais”, ressaltou Karine Dias.
Coordenadora da CGJ, Karine Giacomelli disse que a busca por uma justiça mais célere e eficaz é a principal meta da gestão do corregedor-geral da Justiça, desembargador Luiz Ferreira da Silva. “Diante disso, entendemos a necessidade de atualização constante dos colaboradores e servidores do Poder Judiciário, decorrente, principalmente, dos avanços tecnológicos, como novas ferramentas eletrônicas, mudanças de metodologia de trabalho, atualizações e alterações normativas”, explicou a coordenadora.

 

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Prêmio Espírito Público 2020 está com inscrições abertas
Continue lendo

vídeo publicitário

LEGISLATIVO

EXECUTIVO

JUDICIÁRIO

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA