Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

SEGURANÇA NO TRÂNSITO

Detran-MT faz alerta sobre cuidados com a segurança das crianças e mudanças na Leis de Trânsito

Neste dia 12 de outubro, em que se comemora o Dia das Crianças, o Departamento Estadual de Trânsito (Detran-MT) reforça quanto a importância dos cuidados com a segurança dos pequenos no trânsito e destaca as mudanças promovidas em abril deste ano, pela Lei Federal nº 14.071/2020, para o transporte de crianças em veículos e motocicletas.

Quando se trata de crianças e trânsito, os cuidados devem ser redobrados, pois as limitações relacionadas ao desenvolvimento infantil representam um risco em potencial para a incidência de acidentes de trânsito.

O atropelamento é um tipo de acidente que acontece frequentemente com crianças na faixa etária de 0 a 5 anos. “As crianças menores de 10 anos, em decorrência da pouca percepção de distância, velocidade e tempo, estão mais suscetíveis aos atropelamentos. E, quando atropeladas, correm maior risco de morte que os adultos”, falou a gerente de Ações Educativas do Detran-MT, Rosane Pölzl.

De acordo com Rosane, a baixa estatura das crianças acarreta em menor visibilidade, inclusive pelos condutores, quanto à sua presença nas vias, aumentando ainda o risco de morte das crianças atropeladas.

No momento do transporte das crianças dentro do veículo, é essencial o uso de dispositivo de retenção adequado, como o bebê-conforto, cadeirinha ou assento de elevação e demais equipamentos de segurança. “Em casos de acidente, o uso correto desses dispositivos reduz as chances de lesões graves e até a morte”, reforçou Rosane.

Em abril deste ano, a Lei Federal nº 14.071/2020, que alterou trechos do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), trouxe mudanças no transporte de crianças em veículos e motocicletas.

Com a alteração trazida pela lei, a regra para o transporte de crianças passou a fazer parte do Código de Trânsito Brasileiro incluindo as adequações para cada tipo de equipamento de retenção também pelo peso e altura das crianças, além da sua idade.

Antes, o transporte de crianças estava regulamentado apenas por resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), não constando no Código de Trânsito Brasileiro, e regulamentava o uso do dispositivo de retenção adequado apenas pela idade das crianças. 

Equipamentos de retenção

Com a nova lei, o bebê conforto deve ser usado para crianças de até um ano e até 13 quilos. A cadeirinha para crianças de 01 a 04 anos e que tenham entre 9 e 18 quilos. Já o assento de elevação é indicado para crianças com idade entre 4 e 7 anos e meio, que não tenham atingido 1,45m de altura e com peso entre 15 e 36 quilos.

Para as crianças com mais de 7 anos e meio até 10 anos de idade e que ainda não tenham atingido 1,45 m de altura o transporte deve ser realizado no banco traseiro utilizando o cinto de segurança.

Segundo a gerente de Ações Educativas do Detran-MT, Rosane Pölzl, o cinto de segurança dos veículos foi projetado para garantir a segurança de pessoas com estatura média de 1,45m, sendo assim, é imprescindível o uso de equipamento de retenção adequado às características da criança para evitar lesões em uma situação de frenagem mais brusca ou acidentes.

Transporte em motos

A Lei Federal nº 14.071/2020 também aumenta a idade mínima para o transporte de crianças em motocicletas. Agora será proibido transportar criança menor de 10 anos ou sem condições de cuidar da própria segurança.

Até então, era proibido transportar criança menor de 7 anos ou sem condições de cuidar da própria segurança.

Vale lembrar que o deslocamento feito por motocicleta exige o uso do capacete de segurança de tamanho adequado, com viseira ou óculos protetores para piloto e passageiro, conforme artigo 54 do Código de Trânsito Brasileiro.

“No caso das motocicletas, considerando que as crianças menores de 10 anos em geral ainda não têm estrutura física e psíquica para se equilibrarem e acompanhar com segurança os movimentos do condutor da motocicleta, foi realizada esta alteração da idade para seu transporte com maior segurança, na intenção de reduzir ou mesmo evitar acidentes”, observou Rosane.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Tiroteio em escola do Tennessee deixa 1 morto e policial ferido
Propaganda

GERAL

Rondonópolis está há 6 dias sem mortes por covid-19

Estadão Mato Grosso – Da redação

Desde a última sexta-feira, 15 de outubro, Rondonópolis (214,6 km de Cuiabá) não registra nenhum óbito por covid-19, um dos maiores períodos sem mortes em decorrência do vírus desde março do ano passado. O feito é ainda mais positivo quando se observa o esvaziamento de leitos em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) como consequência da queda no número de infectados no município.

Rondonópolis já teve 38.231 casos confirmados do novo coronavírus, destes, 37.103 se recuperaram e 942 perderam a vida. No momento, há 144 casos ativos no município. Nesta quarta-feira (20), a ocupação dos leitos é de 20%, bem diferente do cenário encontrado durante a segunda onda da pandemia, entre janeiro e março deste ano, quando o sistema de saúde colapsou em todo o país.

Para o médico infectologista Luciano Corrêa, isso é reflexo da vacinação em massa que vem ocorrendo progressivamente. “Nós só passamos a ter mais tranquilidade com o vírus quando a vacinação avançou. Isso significa que a vacina tem eficácia. A única maneira que existe de controlar a doença é a imunização em massa da população. O objetivo dessa e de qualquer vacina é garantir o poder imunogênico para a grande maioria da população”, explica o médico.

Leia Também:  Tiroteio em escola do Tennessee deixa 1 morto e policial ferido

Ao todo, 287.300 doses de vacinas contra a covid-19 foram aplicadas, sendo 182.146 da primeira dose e 105.154 da segunda dose. Durante esta semana, o cronograma de vacinação tem como foco a aplicação da segunda dose da Pfizer para vacinados em até 21 de agosto, 1ª dose para adolescentes acima de 12 anos e a dose de reforço para pessoas idosas (acima de 60 anos) que tenham tomado a segunda dose há seis meses.

Algumas das medidas implantadas foram o patrulhamento para evitar que as pessoas se aglomerassem, a exigência no uso de máscaras em locais públicos e o incentivo desde o início a campanha de vacinação para ampliar cada vez mais o número de pessoas imunizadas.

Passaporte da vacina

A partir desta quarta-feira (20) a fiscalização do cumprimento da obrigatoriedade de apresentação do passaporte da vacina em locais com circulação de mais de 50 pessoas será intensificada. A ação estará focada em estabelecimentos como supermercados, atacadistas, shopping, comércio e empresas.

Além disso, também será promovida fiscalização em eventos quanto ao cumprimento dos protocolos de biossegurança, dos horários estabelecidos em decreto e número de pessoas. O decreto municipal permite que os estabelecimentos funcionem até à meia-noite.

Leia Também:  INSS vai liberar resultado da pensão por morte na hora; confira

Para ingressar nesses estabelecimentos, é obrigatório a apresentação de comprovante de vacinação completa (1ª e 2ª dose) contra a covid-19 ou exame RT-PCR, não detectável, com intervalo de até 48h e documento pessoal com foto.

O decreto municipal atualmente em vigência estabelece ainda que os eventos sociais, corporativos, empresariais, técnicos e científicos, igrejas, templos e congêneres, cinemas, museus e a prática de esportes coletivos são permitidos, respeitado o limite de 50% da capacidade máxima do local, não podendo ultrapassar o total de mil pessoas presentes.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

LEGISLATIVO

EXECUTIVO

JUDICIÁRIO

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA