Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

Executivo

Primeiro encontro oficial: Lucimar formaliza convite para Kalil

Futuro prefeito e equipe de transição terão gabinete e estrutura além de agenda em comum com a prefeita Lucimar Sacre de Campos

Atendendo um convite da prefeita de Várzea Grande, Lucimar Sacre de Campos, o prefeito eleito, Kalil Baracat, irá manter um gabinete na sede do Poder Executivo e também agendas em comum, para um maior entrosamento e para que a fluidez de documentos e da situação administrativa e financeira seja acompanhada (pari passu), simultaneamente pela equipe de transição, uma exigência dos órgãos de controle como Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE/MT), Ministério Público, Controladoria Geral entre outros.

“Precisamos evitar ao máximo a solução de continuidade para Várzea Grande e sua gente, além de permitir que o prefeito Kalil Baracat e sua equipe de gestão possam assumir a partir de janeiro com o máximo de ritmo”, disse a prefeita Lucimar Sacre de Campos, acompanhada pelo senador Jayme Campos, ao prefeito eleito, Kalil Baracat, no primeiro encontro oficial de ambos, após as eleições de domingo último quando o emedebista foi eleito com mais de 50 mil votos.

A prefeita de Várzea Grande assinalou que vai deixar muitas obras em andamento e pretende entregar muitas outras até o fim deste ano, pois são compromissos assumidos por mim, mas também vou deixar uma situação financeira confortável, “em que pese, dificuldades serem sempre inerentes à gestão pública, ou seja, aparecem constantemente e exigem criatividade por parte do gestor para fazer frente as adversidades como no caso da pandemia da COVID 19”, lembrou Lucimar Sacre de Campos.

Ela assinalou para o prefeito eleito que é fundamental honrar os compromissos assumidos, mas desde que isto seja possível e contemple outras exigências do Poder Público que tem princípios constitucionais como a: legalidade, moralidade, impessoalidade ou finalidade, publicidade, eficiência, razoabilidade, proporcionalidade, ampla defesa, contraditório, segurança jurídica, motivação e supremacia do interesse público.

Kalil Baracat reafirmou seus compromissos com Várzea Grande e com sua gente, com sua família e com Deus. “Não decepcionarei. Garanto compromisso com a transparência, com a eficiência e com os resultados a serem obtidos nas obrigações do Poder Público. Aonde a gestão da prefeita Lucimar Sacre de Campos foi perfeita, eficiente, iremos manter para não deixar que esses objetivos sejam prejudicados e aonde for necessário melhorar, vamos no empenhar e dedicar em dobro para atender a demanda”, disse Kalil Baracat, assinalando que o arco de alianças políticos que o apoiou vai se dedicar também.

“Temos problemas emergenciais como a água e o VLT que necessitam solução e não haverá descanso enquanto não solucionarmos eles ou minimizarmos os mesmos”, frisou Kalil Baracat assinalando que vai unir esforços com a prefeita Lucimar Sacre de Campos desde agora para já buscar a solução destes problemas. “Temos problemas que vão exigir muito de todos os atores envolvidos como os Governos Federal, de Mato Grosso, de Várzea Grande e de Cuiabá, por isso não podemos perder tempo e colocarmos em prática as medidas necessárias”, disse ele.

O senador Jayme Campos garantiu apoio redobrado para a gestão Kalil Baracat e para Várzea Grande assinalando que a continuidade de boas práticas e políticas será fundamental para consolidar o processo de desenvolvimento da cidade industrial. “Temos potencial para voltar a crescer de forma sustentável e com consistência, sendo que para isto necessitamos de pesados investimentos que fomentem a economia e permitam que Várzea Grande recupere sua posição de destaque e se desenvolva dentro da realidade econômica de Mato Grosso”, explicou Jayme Campos.

“Tenho convicção na gestão de Kalil Baracat, pois ele é comprometido com a cidade e com sua população. Para mim e para a Lucimar, Kalil Baracat fazendo um trabalho promissor, de respeito e de qualidade, é o que todos esperamos, pois acreditamos na cidade e na competência do futuro prefeito e da equipe que ele montar para lhe ajudar neste grande enfrentamento que será feito nestes próximos quatro anos”, sinalizou Jayme Campos

Fonte: Prefeitura de VG

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Reforma tributária: comissão avalia situação dos estados nesta quarta
Propaganda

Executivo

Governo revisa estimativa de deficit, que pode chegar a R$ 844,6 bilhões em 2020

O Ministério da Economia revisou para baixo a previsão de deficit primário do governo central em 2020, de R$ 861 bilhões para R$ 844,6 bilhões. É a primeira vez no ano que o Poder Executivo reduz a estimativa de rombo nas contas públicas, afetadas pelas medidas de combate à pandemia de coronavírus. Os números foram publicados no 5º Relatório Bimestral de Avaliação de Receitas e Despesas.

De acordo com o documento, a diferença de R$ 16,4 bilhões se deve ao aumento da arrecadação e à redução de despesas. As principais variações nas receitas primárias ocorrem “em razão de arrecadações atípicas” observadas principalmente no Imposto de Renda Pessoa Jurídica (+ R$ 10,1 bilhões) nos meses de setembro e outubro.

Também merece destaque o aumento de R$ 4,3 bilhões na receita previdenciária. Segundo o relatório, isso é explicado “pelo aumento da estimativa da massa salarial em 2020” e pela “arrecadação em valores superiores aos previstos” devido à retomada da economia no mês de setembro. O documento destaca também uma arrecadação extra de R$ R$ 909 milhões na exploração de recursos naturais, com destaque para o petróleo (+ R$ 642 milhões).

Leia Também:  Estado processa Prefeitura por impedir fiscalização dos leitos para coronavírus

No lado das despesas, o Poder Executivo reduziu em R$ 9,4 bilhões os gastos com o pagamento do Bolsa Família “devido à opção dos beneficiados pelo auxílio emergencial”. O governo federal também diminuiu em R$ 2,1 bilhões os subsídios, as subvenções e os repasses ao Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro). O relatório destaca também a queda de R$ 1,8 bilhão em despesas com benefícios previdenciários.

Previsão mais otimista

Embora essa tenha sido a primeira revisão na previsão do resultado primário feita pelo Ministério da Economia, a Instituição Fiscal Independente (IFI), do Senado, trabalha com um cenário um pouco mais otimista. De acordo com o último Relatório de Acompanhamento Fiscal (RAF), publicado em novembro, o deficit do governo central deve ficar em R$ 779,8 bilhões. Em julho, a previsão da IFI era de R$ 877,8 bilhões.

Segundo o documento, “o principal responsável pela melhora de R$ 98 bilhões na projeção é o lado da arrecadação”. O recolhimento de tributos deve crescer até o final do ano devido ao “vigor da economia no terceiro trimestre” e ao pagamento dos chamados tributos diferidos, impostos que só são pagos pelas empresas quando o lucro é creditado. “A IFI estima que serão pagos cerca de R$ 65 bilhões em tributos diferidos ainda em 2020 (de um total aproximado de R$ 88 bilhões)”, destaca o RAF.

Leia Também:  Estudantes de Hong Kong boicotam primeiro dia de aula

Apesar do cenário um pouco mais otimista do que o indicado pelo Ministério da Economia no que se refere ao resultado primário, a IFI ressalta que a dívida bruta brasileira deve encerrar 2020 em 93,1% do Produto Interno Bruto (PIB). Embora a previsão ainda esteja abaixo dos 96,1% projetados em junho, o documento destaca que a relação entre a dívida e o PIB “deve atingir 100% em 2024”. “Até lá, dificilmente serão alcançadas as condições de sustentabilidade. Seria preciso ter um superavit do setor público consolidado de 1,2% do PIB, em 2024, para que a dívida se tornasse estável”, aponta do relatório.

 

Fonte: AMM

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

LEGISLATIVO

EXECUTIVO

JUDICIÁRIO

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA