Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

MINISTRO

Ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, deixa o cargo

O ministro da Defesa, Fernando Azevedo, pediu demissão do cargo nesta segunda-feira por ordem direta do presidente Jair Bolsonaro.

Segundo um aliado do ministro na cúpula militar, Azevedo estava em pleno trabalho de consolidação dos orçamentos e de projetos de investimento da pasta e só deixará o governo porque Bolsonaro assim ordenou.

“O presidente pediu o cargo do ministro”, disse uma fonte militar ao Radar.

Não está claro se Bolsonaro solicitou a vaga de ministro para entregar o posto a Eduardo Pazuello, que ficou na chuva após a demissão na Saúde.

A nota do ministro Azevedo:

“Agradeço ao Presidente da República, a quem dediquei total lealdade ao longo desses mais de dois anos, a oportunidade de ter servido ao País, como Ministro de Estado da Defesa. Nesse período, preservei as Forças Armadas como instituições de Estado. O meu reconhecimento e gratidão aos Comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, e suas respectivas forças, que nunca mediram esforços para atender às necessidades e emergências da população brasileira. Saio na certeza da missão cumprida”. 

 

Leia Também:  Secretário: Profissionais da saúde estão exaustos; de que vale tanto esforço?

 

 

Por: Veja

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Executivo

Lira nega que Bolsonaro precise viajar para sancionar Orçamento

O presidente da  Câmara dos Deputados , Arthur Lira  (PP-AL), disse que o Orçamento da União deste ano será tratado com responsabilidade pelos parlamentares. Segundo ele, o País vive um momento econômico grave e de crise sanitária.

Lira negou informação publicada pelo jornal O Estado de S.Paulo, que afirmou que  Bolsonaro  poderia viajar para fora do País, juntamente com o vice-presidente, Hamilton Mourão , para que ele (Lira) sancionasse o Orçamento.

Na ausência do presidente e do vice, o presidente da Câmara assume a Presidência da República.

A reportagem afirma que essa solução foi pensada para que resolver o impasse da sanção da lei orçamentária. O presidente Jair Bolsonaro tem até o dia 22 de abril para sancioná-la ou não.

Você viu?

O texto causa polêmica devido a cortes feitos em despesas obrigatórias e é alvo de negociação entre Executivo e Legislativo.

Os cortes em despesas obrigatórias da Previdência, do auxílio-doença e do seguro-desemprego seriam para gastos com pleitos de parlamentares.

Estudos da Câmara e do Senado apresentam sugestões para ajustar Orçamento deste ano

Leia Também:  Governo investe R$ 1,084 bilhão e executa mais de 80 obras rodoviárias em Mato Grosso

“O País vive um momento grave de perdas e crise sanitária. O Orçamento é crucial e será tratado por mim e pela Câmara com responsabilidade. Desminto com veemência o conteúdo desta matéria do Estadão. O cidadão merece uma apuração sem ‘disse me disse’ e calcada na verdade”, afirmou Lira por meio de suas redes sociais.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

LEGISLATIVO

EXECUTIVO

JUDICIÁRIO

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA