Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

MT 020

Governo dá ordem de serviço para conclusão de asfaltamento entre Paranatinga e Canarana

O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra), emitiu ordem de serviço para o início das obras de pavimentação da MT-020, que vai interligar definitivamente os municípios de Paranatinga e Canarana por vias asfaltadas.

Além da pavimentação, serão executadas obras de restauração da rodovia, totalizando uma extensão de 66,4 quilômetros da MT-020, que receberão asfalto novo e melhorias na malha rodoviária. O investimento será de R$ 27 milhões e as obras vão levar desenvolvimento à região do Médio-Araguaia.

As obras serão executadas em três trechos da rodovia. O primeiro é para pavimentação do KM 99,8 até o KM 137. O segundo trecho é para a restauração do asfalto do KM 137,4 até o KM 157,3. Por último, será feita a pavimentação do trecho entre o KM 157,3 até o KM 166,2.

Os dois trechos a serem pavimentados são obras que foram iniciadas em 2009 e 2014, respectivamente, mas não foram concluídas, e são retomadas agora pelo Governo de Mato Grosso, segundo informou o secretário de Estado de Infraestrutura e Logística, Marcelo de Oliveira.

Leia Também:  Retenção do FPM: CNM orienta gestores municipais sobre como fazer desbloqueio

“A administração Mauro Mendes veio para fazer a diferença e para, realmente, arrumar, consertar e dar novo rumo ao estado de Mato Grosso. Essa obra é importantíssima para o desenvolvimento dessa região, pois vamos executar a pavimentação entre as duas cidades. Até o final do ano que vem queremos 100% dessa rodovia asfaltada”, disse o secretário.

Marcelo de Oliveira destacou ainda que essa é uma obra importante, pois a MT-020 é considerada uma rodovia estruturante de Mato Grosso, uma vez que permite a interligação da região do Médio Araguaia, na cidade de Canarana, até a região Sudeste do Estado, em Primavera do Leste.

“Com a conclusão desse asfalto, será possível realizar o escoamento da produção agropecuária da BR-158 até a BR-070, utilizando-se da MT-020, em direção ao Terminal Ferroviário de Rondonópolis. Essa rodovia vai encurtar quase 200 quilômetros do caminho do cidadão que mora na região do Médio Araguaia. Uma obra extremamente importante”, afirmou.

Trecho já inaugurado

A pavimentação a ser iniciada complementa o asfalto de 66,5 quilômetros da MT-020 já finalizada pelo Governo do Estado e entregue pelo governador Mauro Mendes à população no mês de setembro. Na ocasião, ele destacou que as obras na MT-020 vão garantir a trafegabilidade e a nova rota vai encurtar em quilometragem o acesso da região do Araguaia a Cuiabá e a várias outras cidades da região Nordeste de Mato Grosso.

Leia Também:  Governo Federal reforça parceria com MT e envia mais R$ 10 milhões para combate aos incêndios florestais

“Estamos inaugurando esse trecho que foi feito agora, no nosso mandato. Vai ser mais um eixo estruturante para melhorar toda a condição dessa região, melhorando todo o agronegócio e promovendo, principalmente, o desenvolvimento econômico e a geração de emprego”, disse o governador, na ocasião.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Executivo

Governo revisa estimativa de deficit, que pode chegar a R$ 844,6 bilhões em 2020

O Ministério da Economia revisou para baixo a previsão de deficit primário do governo central em 2020, de R$ 861 bilhões para R$ 844,6 bilhões. É a primeira vez no ano que o Poder Executivo reduz a estimativa de rombo nas contas públicas, afetadas pelas medidas de combate à pandemia de coronavírus. Os números foram publicados no 5º Relatório Bimestral de Avaliação de Receitas e Despesas.

De acordo com o documento, a diferença de R$ 16,4 bilhões se deve ao aumento da arrecadação e à redução de despesas. As principais variações nas receitas primárias ocorrem “em razão de arrecadações atípicas” observadas principalmente no Imposto de Renda Pessoa Jurídica (+ R$ 10,1 bilhões) nos meses de setembro e outubro.

Também merece destaque o aumento de R$ 4,3 bilhões na receita previdenciária. Segundo o relatório, isso é explicado “pelo aumento da estimativa da massa salarial em 2020” e pela “arrecadação em valores superiores aos previstos” devido à retomada da economia no mês de setembro. O documento destaca também uma arrecadação extra de R$ R$ 909 milhões na exploração de recursos naturais, com destaque para o petróleo (+ R$ 642 milhões).

Leia Também:  Reforma Tributária é discutida por Comitê de Secretários de Fazenda

No lado das despesas, o Poder Executivo reduziu em R$ 9,4 bilhões os gastos com o pagamento do Bolsa Família “devido à opção dos beneficiados pelo auxílio emergencial”. O governo federal também diminuiu em R$ 2,1 bilhões os subsídios, as subvenções e os repasses ao Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro). O relatório destaca também a queda de R$ 1,8 bilhão em despesas com benefícios previdenciários.

Previsão mais otimista

Embora essa tenha sido a primeira revisão na previsão do resultado primário feita pelo Ministério da Economia, a Instituição Fiscal Independente (IFI), do Senado, trabalha com um cenário um pouco mais otimista. De acordo com o último Relatório de Acompanhamento Fiscal (RAF), publicado em novembro, o deficit do governo central deve ficar em R$ 779,8 bilhões. Em julho, a previsão da IFI era de R$ 877,8 bilhões.

Segundo o documento, “o principal responsável pela melhora de R$ 98 bilhões na projeção é o lado da arrecadação”. O recolhimento de tributos deve crescer até o final do ano devido ao “vigor da economia no terceiro trimestre” e ao pagamento dos chamados tributos diferidos, impostos que só são pagos pelas empresas quando o lucro é creditado. “A IFI estima que serão pagos cerca de R$ 65 bilhões em tributos diferidos ainda em 2020 (de um total aproximado de R$ 88 bilhões)”, destaca o RAF.

Leia Também:  Escola de Governo abre inscrições para curso online sobre políticas públicas

Apesar do cenário um pouco mais otimista do que o indicado pelo Ministério da Economia no que se refere ao resultado primário, a IFI ressalta que a dívida bruta brasileira deve encerrar 2020 em 93,1% do Produto Interno Bruto (PIB). Embora a previsão ainda esteja abaixo dos 96,1% projetados em junho, o documento destaca que a relação entre a dívida e o PIB “deve atingir 100% em 2024”. “Até lá, dificilmente serão alcançadas as condições de sustentabilidade. Seria preciso ter um superavit do setor público consolidado de 1,2% do PIB, em 2024, para que a dívida se tornasse estável”, aponta do relatório.

 

Fonte: AMM

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

LEGISLATIVO

EXECUTIVO

JUDICIÁRIO

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA