Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

RECURSO

Governantes usaram “bilhões da Saúde” para botar contas em dia, acusa Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro disse, em sua live semanal, que prefeitos e governadores usaram recursos repassados pelo governo federal para o combate à Covid-19 para colocar as contas em dia. Ele ainda criticou as medidas restritivas que estão sendo adotadas.

— A política de fechar, que começou em março e abril do ano passado, qual a intenção da mesma? Achatar a curva de contaminação para que os hospitais se preparassem com leitos de UTI, respiradores etc.

E acrescentou:

— Dinheiro foi para estados e municípios, muito dinheiro, bilhões de reais, mas nós sabemos que muitos governadores e prefeitos usaram esse recurso para pagar folha atrasada, botar suas contas em dia, e não deram a devida atenção para a saúde.

Os comentários foram feitos na esteira da leitura de manchetes de jornais argentinos, que indicavam aumento da pobreza no país por causa das medidas restritivas adotadas para contenção do coronavírus.

Leia Também:  Novo presidente do Senado defende permanência do auxílio emergencial na pandemia

O presidente ainda criticou o governador do Piauí, Wellington Dias, que reclamou do valor do novo auxílio emergencial – em média, o novo benefício pagará R$ 250, ante R$ 600 e R$ 300 que foram pagos em 2020.

Você viu?

— Eu vi um vídeo de um governador, acho que o Wellington Dias, fazendo um apelo dramático, que o governo federal não pode pagar R$ 250 a título de auxílio emergencial. Tem que ser R$ 600 porque a pandemia não acabou. Bem, quem está acabando com emprego é ele, o governador Wellington Dias. Não somos nós aqui – contestou.

Bolsonaro citou dados do Tesouro Nacional que apontaram que os estados fecharam o ano de 2020 com superávito de R$ 38 bilhões.

— Como tem a matéria aqui na imprensa dizendo o seu estado, todos os estados, estão superavitários, você poderia pagar um complemento ao auxílio emergencial. Dá mais de R$ 350 e chega aos R$ 600 – sugeriu.

O presidente voltou a associar as medidas restritivas com estado de sítio e disse que há relatos de violência contra pessoas que estão tentando trabalhar, mas são agredidas por estarem nas ruas.

Leia Também:  Deputados aprovam novo marco regulatório do setor gás natural no Brasil

— Há um sentimento cada vez maior de revolta junto a essas pessoas. Repito aqui: eu temo por problemas sociais graves no Brasil. E como é que você vai combater isso? Eu quero repetir aqui: o meu Exército brasileiro não vai às ruas para agir contra o povo. Ou para fazer cumprir decretos de governadores e prefeitos. O meu Exército, enquanto for presidente, não vai – declarou.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ECONOMIA

Mais de 130 lojistas já fecharam definitivamente as portas em shoppings de MT

Ao menos 50 lojistas fecharam as portas em shopping centers em Mato Grosso no primeiro trimestre deste ano. O número já representa mais da metade das baixas registradas nos oito de meses de pandemia de 2020. 

De abril e dezembro do ano passado, 80 lojistas de shopping center e galerias fecharam definitivamente as portas em Mato Grosso.

Os dados são da União dos Lojistas de Shopping Center (Unishop). Os segmentos mais afetados são de alimentação, vestuário e calçados. O presidente da Unishop, Geraldo Prado, diz que houve piora da situação com as recentes quarentenas obrigatórias. 

“Nós ficamos cento e poucos dias fechados ano passado e quando reabrimos tivemos uma retomada boa. O Dia dos Pais, em agosto, já foi bom e o Natal foi ótimo para muitos empresários, na comparação com o Natal de 2019. Mas, veio essa piora da pandemia e fechamento novamente que afetou muita gente”, comentou. 

Quarentena e problemas de caixa

Segundo ele, as baixas aconteceram principalmente entre empresários que já vinham com alguma dificuldade de equilíbrio, por causa do cenário negativo no ano passado, que não conseguiram se recuperar o suficiente e as novas restrições os pegaram de surpresa. 

“Havia algumas pessoas já com problema de caixa, mas o principal problema foi a pandemia. O setor já vinha em uma situação boa, de recuperação. Mas, neste ano já ficamos 15 dias fechados. Somos a favor de fechar as portas se for necessário, só queremos saber se está funcionando [o lockdown], se realmente é necessário”, questionou. 

O empresário Geraldo Prado diz que há expectativa que o cenário volte a melhorar neste ano, a partir do segundo semestre, para quando é estimado um maior avanço da vacinação. 

Reinaldo Fernandes – O Livre

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Coronavírus, tributação e medidas emergenciais
Continue lendo

vídeo publicitário

LEGISLATIVO

EXECUTIVO

JUDICIÁRIO

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA