Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

SISTEMA DE IMPOSTOS

Ex-ministro Maílson da Nóbrega acredita em crescimento da economia ainda em 2021

O economista e ex- ministro da Fazenda Maílson da Nóbrega  defendeu a reforma tributária  brasileira e atacou o sistema de impostos atual em entrevista na live do Brasil Econômico, do Portal iG , desta quinta-feira (11).

“O ICMS e os impostos estaduais mudam muito em um período muito curto de tempo. Uma empresa que opere em todo o país não tem como acompanhar isso. Isso gera grandes custos de transação e conformidade”, comentou.

Enfático, o ex-ministro apontou o regime tributário atual como “a maior fonte de ineficiência da economia brasileira hoje”, e salientou que “grande parte desta estagnação se deve a esse caos tributário”.

Como alternativa,  Maílson da Nóbrega se mostra esperançoso: “A saída está na PEC 45, feita pelo Centro de Cidadania Fiscal. O projeto é substituir os cinco tributos atuais por apenas um. O imposto sobre bens e serviços, que funciona na metodologia do imposto de valor agregado”

O novo modelo prevê a tributação de cada etapa de agregação de valor a um produto. Ao fim, tem-se uma alíquota final sobre o produto, que será fixa em todo o país. Da Nóbrega explica que “esse tipo de tributação é adotado hoje em mais de 180 países. É o modelo prevalecente”, e seu efeito será “acabar com  o caos”.

Maílson da Nóbrega foi ministro da Fazenda em um período de hiperinflação, quando o Brasil chegou a registar 80% de inflação em um único mês.

Leia Também:  Sete municípios mato-grossenses comemoram aniversário com R$ 100 milhões em investimentos do Governo do Estado em infraestrutura

A aprovação da autonomia do Banco Central, na avaliação do ex-ministro, é positiva, e trará resultados benéficos para a economia nacional. “Nos períodos em que o BC esteve autônomo na prática, como no Brasil do FHC e do Lula, o banco central nunca sofreu nenhuma interferência do governo”, explica.

Nóbrega ainda prevê o fortalecimento do mercado de commodities que, de acordo com ele, são as especialidades do Brasil. Para ele, o país tem possibilidade de crescimento de até 5% ao ano, se garantidas as condições necessárias.

Ainda assim, os números do desemprego podem aumentar, visto que o fim do isolamento social devido a pandemia. De acordo com o economista, as pessoas vão voltar a procurar emprego, e o mercado absorverá a maioria, mas não tudo. O desemprego será de 16% neste ano e nos seguintes, diz.

Esperançoso, ele diz acreditar no crescimento na economia brasileira em 2021, tanto pela aprovação de reformas que modernizarão o Estado, quanto pelos efeitos estatísticos. “O PIB do quarto trimestre [de 2020] será comparado com o PIB do primeiro trimestre de 2021. A base de comparação de dezembro será menor que a de janeiro, e isso dará o crescimento de 2,5% da nossa economia. Isto quer dizer que se a economia crescer zero, 2,5% estão garantidos”, explicou.

Leia Também:  Bolsonaro dá trégua a Guedes e passa a andar com dois novos ministros a tiracolo

O ex-ministro também falou sobre a adesão do presidente Jair Bolsonaro ao presidencialismo de coalisão, sobre o papel do centrão no Congresso e as transformações deste grupo de parlamentares.

Assista na íntegra:

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ECONOMIA

Imposto de Renda: restituição poderá ser recebida por banco digital

A Receita Federal acompanhou o crescimento das fintechs – startups ou empresas que desenvolvem produtos financeiros digitais – e incluiu uma novidade no Imposto de Renda (IR) 2021.

Agora, além de contas corrente e poupança tradicionais, o contribuinte pode selecionar uma conta pagamento para crédito da restituição do imposto, as famosas contas digitais.

Fintechs e contas Digitais

Fintechs são empresas voltadas para a tecnologia e o mercado financeiro. De acordo com o Distrito Fintech Report 2020, o número de empreendimentos nessa categoria cresceu 34% no último ano.

Nubank, PagSeguros e PicPay são alguns exemplos de fintechs brasileiras que ganham cada vez mais espaço no mercado.

Você viu?

Um de seus principais produtos são as contas digitais, que atraem usuários por sua facilidade de acesso, já que são 100% acessadas via internet, e pela ausência de tarifas, seja para manutenção da conta, movimentações financeiras ou uso de cartão de crédito.

Crédito para restituição

Até 2020, essas contas não podiam ser escolhidas para crédito da restituição do Imposto de Renda. As opções eram restritas a contas corrente e poupança tradicionais.

Leia Também:  Contas públicas têm déficit de R$ 2,7 bilhões em julho

Entre as novidades da declaração divulgadas pela Receita neste ano, está a inclusão dessas contas pagamento como uma opção para a devolução do imposto pago.

Para isso, antes de enviar a declaração, o contribuinte deve selecionar a opção “Resumo da declaração”, no menu esquerdo da tela, e depois clicar em “Cálculo do Imposto”.

Ali, será mostrado se o declarante possui, ou não, um valor a ser restituído. Caso tenha dinheiro a receber, a aba “Informações Bancárias” deverá ser preenchida com os dados de sua conta

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

LEGISLATIVO

EXECUTIVO

JUDICIÁRIO

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA