Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

DINHEIRO

Auxílio: 3,6 milhões de brasileiros podem sacar parcela depositada em dezembro

Os 3,6 milhões de trabalhadores nascidos em março — que tiveram a última parcela do  auxílio emergencial depositada em 14 de dezembro — poderão  sacar o dinheiro nesta segunda-feira (dia 4 de janeiro). A retirada deverá ser feita numa agência da Caixa Econômica Federal ou numa cassa lotérica.

Na quarta-feira (dia 6), o saque será liberado para 3,4 milhões que nasceram em abril e tiveram o crédito em suas contas poupanças sociais digitais no dia 16 de dezembro. Esses pagamentos fazem parte do ciclo 6, que se encerrará no dia 27 de janeiro.

Esses trabalhadores com direito a retirada são informais, autônomos, desempregados sem seguro-desemprego, microempreendedores individuais (MEIs) e inscritos no Cadastro Único sem direito a Bolsa Família. Eles se inscreveram pelo aplicativo Caixa / Auxílio Emergencial , pelo site da Caixa e pelos Correios.

Calendário completo dos saques finais

  • 4 de janeiro de 2021: nascidos em março;
  • 6 de janeiro de 2021: nascidos em abril;
  • 11 de janeiro de 2021: nascidos em maio;
  • 13 de janeiro de 2021: nascidos em junho;
  • 15 de janeiro de 2021: nascidos em julho;
  • 18 de janeiro de 2021: nascidos em agosto;
  • 20 de janeiro de 2021: nascidos em setembro;
  • 22 de janeiro de 2021: nascidos em outubro;
  • 25 de janeiro de 2021: nascidos em novembro; e
  • 27 de janeiro de 2021: nascidos em dezembro.
Leia Também:  Confiança do Comércio cresce 3,2 pontos em agosto

Bolsa Família

No caso dos beneficiários do Bolsa Família — cujo calendário de pagamentos de 2021 ainda não foi divulgado —, o saque do  auxílio emergencial se encerrou em dezembro. Os depósitos de janeiro já retornarão aos valores pagos originalmente pelo programa social .

Desde dezembro, o pagamento dos recursos do Bolsa Família começou a ser feitos aos beneficiários desbancarizados por meio de conta poupança social digital. Segundo o governo, a mudança vai permitir que mais de nove milhões de cidadãos que ainda não têm nenhuma conta bancária sejam incluídos no sistema bancário e possam movimentar os valores pelo aplicativo Caixa Tem.

Os beneficiários de NIS com final 9 e 0 foram os primeiros desbancarizados a receber os recursos com os serviços da conta poupança social digital, o que representou 1,5 milhão de pessoas ou 16,5% do total de cidadãos com direito ao benefício. Aqueles têm outros finais de NIS vão obedecer ao calendário abaixo.

Cronograma completo

  • Janeiro – NIS de finais 6,7 e 8
  • Fevereiro – NIS de finais 3, 4 e 5
  • Março – NIS de finais 1, 2 e indígenas, quilombolas, ribeirinhos, extrativistas, pescadores artesanais, comunidades tradicionais, agricultores familiares, assentados, acampados e pessoas em situação de rua
Leia Também:  Gastos de brasileiros em viagens internacionais caem 5,2% em agosto

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ECONOMIA

Dólar fecha a R$ 5,36 em dia de bastante volatilidade

Num dia de bastante volatilidade, o dólar reverteu o otimismo registrado pela manhã e aproximou-se de R$ 5,40 durante a tarde, antes de desacelerar perto do fim da sessão. A bolsa de valores emendou a terceira sessão seguida de queda, depois de operar em leve alta na abertura dos negócios.

O dólar comercial encerrou esta quinta-feira (21) vendido a R$ 5,364 , com alta de R$ 0,052 (+0,99%). Pela manhã, a divisa chegou a cair 1,5%, para R$ 5,23, mas a cotação reverteu a tendência perto das 12h, até fechar próxima da máxima do dia.

Você viu?

No mercado de ações, o dia também foi marcado pela turbulência. O índice Ibovespa , da B3, fechou o dia aos 118.329 pontos, com recuo de 1,1%. O indicador afastou-se do nível recorde de 125 mil pontos registrado no último dia 8.

A volatilidade no mercado financeiro intensificou-se após declarações do candidato à presidência do Senado Rodrigo Pacheco (DEM-MG) de que a eventual reinstituição do auxílio emergencial será discutida na primeira semana da nova legislatura do Congresso . Mais tarde, ele afirmou que o tema será debatido com respeito às regras fiscais e ao teto federal de gastos.

Leia Também:  Mortes em Cuiabá chegam a 681: veja os dados do painel Covid-19 desta quinta-feira (23)

Uma eventual extensão do auxílio emergencial sem a compensação por outras fontes de recursos aumentaria os gastos públicos. Isso eleva a pressão sobre o mercado financeiro, que pede a continuidade das reformas estruturais, como a administrativa e a tributária.

* Com informações da Reuters

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

LEGISLATIVO

EXECUTIVO

JUDICIÁRIO

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA