Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

BASTIDORES DA REPÚBLICA

Jair Bolsonaro dá indícios de que já colocou ministro Paulo Guedes em processo de fritura

AZEDOU

Os ânimos andam exaltados no Palácio do Planalto. Outro dia o ministro da Economia, Paulo Guedes, ameaçou deixar o governo por conta das interferências de quem ele nominou como “conselheiros do presidente”. Agora, parece-me que o próprio presidente Jair Bolsonaro quer a cabeça do ministro. Guedes entrou em processo de fritura e tem até amanhã para apresentar uma nova proposta do Renda Brasil. Bolsonaro não gostou da proposta de Guedes de acabar com programas sociais para criar o Renda Brasil, substituto do Bolsa Família.

CORDA NO PESCOÇO

Adriano Machado

É lógico que o presidente Jair Bolsonaro não quer arcar com o ônus político de tirar benefícios já concedidos à população mais carente para bancar o Renda Brasil. Resta saber, agora, de onde virão os recursos. Uma das propostas de Paulo Guedes é dar fim às deduções do Imposto de Renda Pessoa Física. Guedes também vem sugerindo a extinção de programas sociais que considera ineficientes, como o seguro-defeso pago no período de reprodução dos peixes e o Farmácia Popular.

PRESSÃO MÁXIMA

Se depender das pressões vindas do Palácio da Alvorada, o ministro da Economia Paulo Guedes terá mesmo que pegar o boné e dar no pé, como ele mesmo insinuou há alguns dias. Os três filhos do presidente Jair Bolsonaro, Flávio, Carlos e Eduardo, continuam insistindo que Guedes não pode ser empecilho para os planos do pai de garantir mais quatro anos de mandato. Se a nova proposta do Renda Brasil que será concluída por Guedes nesta sexta-feira (28) não agradar, o clã Bolsonaro vai arrochar a válvula da pressão, certamente.

Leia Também:  Bolsonaro diz que poderá comprar CoronaVac, mas chama 2ª onda da Covid de “conversinha”

EFEITO CASCATA

Marcelo Camargo Abr

O impasse entre Bolsonaro e Guedes já refletiu no mercado financeiro. Ontem foi mais um dia de forte oscilação e pesou também a apreensão em relação ao aumento do déficit fiscal do governo. A expectativa é quando ao custo do dólar, que perdeu o controle nos últimos dois dias. Com tanta pressão, o balcão de apostas já faz lances sobre os possíveis nomes de futuros ministros da Economia. Continua no topo o do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

CABEÇA NO OMBRO

Por enquanto, o único que passou a mão na cabeça do ministro Paulo Guedes e o defendeu publicamente foi o vice-presidente Hamilton Mourão. Ontem Mourão defendeu a permanência do “Posto Ipiranga” e disse que o titular da equipe econômica tem a “resiliência necessária”. O general também afirmou que o mercado é como gado, um “rebanho eletrônico”. A declaração foi dada a um grupo de jornalistas na saída do Planalto.

NOTÍCIA BOA

Um estudo divulgado pelo IBGE encheu os olhos do presidente Jair Bolsonaro. O estudo aponta que o auxílio emergencial de R$ 600 dado pelo governo para ajudar as famílias mais carentes durante a pandemia da covid-19 tirou 13,1 milhões de pessoas da pobreza até julho de 2020. Um detalhe que torna ainda mais insuspeito o dado é que a pesquisa foi coordenada pelo ex-ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos do governo Dilma Rousseff, o economista Marcelo Néri, alguém que não teria qualquer inclinação de inflar os feitos do atual governo.

Leia Também:  Bolsonaro diz que quem manda é ele, depois massageia o ego do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello

PLACAR EMPATADO

Carlos Moura

O afastamento do decano do Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Mello, que se recupera de uma nova cirurgia, tem contribuído para que julgamentos importantes da Segunda Turma – com impacto direto sobre o ex-ministro Sérgio Moro e os rumos da Operação Lava Jato – terminem empatados. Levantamento feito em sessões do colegiado neste ano aponta que, em ao menos sete julgamentos realizados sem a presença do decano, o placar foi de 2 a 2, aplicando assim o princípio jurídico de que, em casos de empate, os réus devem ser beneficiados.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Bastidores da República

Bolsonaro diz que imprensa defende “canalhas” e quer liberdade das mídias

CRÍTICAS

Mais uma polêmica. Em evento da Polícia Militar no Rio de Janeiro, nesta sexta-feira (18) o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disparou críticas contra a imprensa, que chamou de “máquina de fake news”, e defendeu a liberdade das mídias sociais. O chefe do Executivo cumpre agenda na capital fluminense, base eleitoral dele e de dois dos filhos políticos. Bolsonaro elogiava o trabalho dos policiais militares quando afirmou que a imprensa defende “canalhas”. “Uma fração de segundo está em risco a sua vida, do cidadão de bem ou de um canalha defendido pela imprensa brasileira. Não se esqueçam disso: essa imprensa jamais estará do lado da verdade, da honra e da lei. Sempre estará contra vocês”, disse ele. “Não esperemos da imprensa a verdade. Eles sequer sabem o vérsiculo João 8:32”, continuou. “Contamos com o povo maravilhoso ao nosso lado e com a liberdade das mídias sociais, que esta sim traz a verdade para vocês, porque uma fábrica de fake news está na grande parte da imprensa“Estão perseguindo gente que apoia o governo de graça. Querem tirar a mídia que eu tenho a meu favor sob o argumento mentiroso de fake news.  “Por mais que queiram nos enxovalhar, não conseguem. Em qualquer lugar que estou do Brasil, lá o capitão Jair Bolsonaro é muito bem tratado junto à população”, finalizou. “E assim é também como tenho constatado o nosso policial militar quando está trabalhando nas ruas. Vocês são heróis de verdade. Vocês, inclusive, protegem a vida de quem nada fez por nós, mas nós acreditamos no próximo.”

ONDA FORTE NO DF

Em meio à indefinição quanto à estratégia de vacinação dos brasilienses contra a covid-19, o recrudescimento da pandemia do novo coronavírus se intensifica. Uma projeção da Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan), publicada ontem, aponta que, se o contágio continuar subindo no ritmo atual, na próxima semana, o DF deve testemunhar um aumento de 30% no número de infectados. Desde meados de novembro, a taxa de reprodução do vírus R(t) na capital federal é 1,3. Assim, 100 infectados podem passar a doença para 130 pessoas em uma semana, o que elevará o número de ocorrências para 313,4 mil. Segundo o último boletim epidemiológico, divulgado ontem, pela Secretaria de Saúde, o DF resgistrou 899 casos e 16 mortes em 24 horas. A capital soma 242.299 infecções e 4.123 óbitos em decorrência da covid-19. Dos pacientes, 231.071 são considerados recuperados.

Leia Também:  Bolsonaro lamenta marca de quase cem mil mortes pela Covid-19 e convoca sociedade a tocar em frente

PENDÊNCIA

Juízes que integram a Associação Nacional para a Defesa da Magistratura (ADM) apresentaram ação coletiva contra a indicação do advogado Mário Nunes Maia para o cargo de conselheiro do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Filho do ministro Napoleão Nunes Maia, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Mário só obteve a carteira da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) no ano passado, mas foi aprovado pelo Congresso para o cargo de R$ 37 mil.O advogado teve o nome validado por 364 deputados de 12 partidos, fruto de articulação iniciada em julho com apoio direto do ministro Nunes Maia. A indicação agora aguarda a sanção pelo presidente Jair Bolsonaro.

PRISÃO DE JORNALISTA

Foto Rosinei Coutinho

Sexta-feira quente em Brasília. O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, determinou a prisão preventiva do blogueiro Oswaldo Eustáquio. Segundo a decisão, Eustáquio descumpriu a prisão domiciliar ao ir em uma reunião no Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos no último dia 15 para solicitar audiência com a ministra Damares Alves, porém não foi recebido. A própria pasta informou à juíza sobre o agendamento de uma reunião pelo blogueiro, e a magistrada esclareceu que “não foi formulado nenhum pedido para deslocamento do monitorando nesse período, tampouco houve qualquer autorização por parte daquele juízo para o referido deslocamento”. Além disso, consta na decisão de Moraes que Oswaldo teve 17 ocorrências relacionadas ao seu monitoramento eletrônico em dias diferentes, incluindo quatro vezes em que deixou a tornozeleira eletrônica ficar sem bateria, o que impede verificar a sua real localização geográfica

Leia Também:  Irritado com as críticas, Bolsonaro chuta o balde e oficializa Pazuello na Saúde

BABADO POLÏTICO

Assédio na Alesp: Cidadania deve decidir hoje se expulsa Fernando Cury
O Cidadania anunciou nesta sexta-feira, 18, o afastamento de Fernando Cury, acusado de assédio sexual contra a deputada Isa Penna (PSOL) durante uma sessão na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp). Segundo documento assinado pelo presidente nacional do partido, Roberto Freire, Cury ficará afastado até a conclusão do procedimento disciplinar no âmbito partidário.“O Deputado Estadual Fernando Cury fica liminarmente afastado de todas as funções diretivas partidárias, em todas as instâncias, bem como de todas as funções exercidas em nome do Cidadania, inclusive junto à Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo”, diz o documento.
O vídeo do episódio foi transmitido ao vivo pelo canal da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) no YouTube. Nele, a parlamentar aparece conversando com o presidente da Casa, Cauê Macris (PSDB), quando Cury se aproxima da Mesa Diretora e se posiciona atrás da deputada, colocando a mão na lateral de seus seios. Em seguida, Isa empurra o deputado para afastá-lo de seu corpo.A deputada registrou um boletim de ocorrência contra o parlamentar por assédio sexual e vai entrar com representação.

EM MATO GROSSO

A obra do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) completa nesta sexta-feira (18) seis anos parada. O projeto que já consumiu cerca de R$ 1 bilhão passou por três governos desde 2012 e ainda não existe uma definição se vai ou não ser concluído. O valor total da obra inicialmente era de R$ 1,4 bilhão, mas mais da metade desse valor já foi gasto e cerca de 50% da obra foi executada.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

LEGISLATIVO

EXECUTIVO

JUDICIÁRIO

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA