Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

Bastidores da República

Irritado com as críticas, Bolsonaro chuta o balde e oficializa Pazuello na Saúde

Habemos ministro

Cansado com tanto tititi, o presidente Jair Bolsonaro formalizou no Diário Oficial da União desta quarta-feira (03) o nome do general Eduardo Pazuello para exercer, interinamente, o cargo de ministro da Saúde. O decreto que nomeia Pazuello ministro interino também exonera o general do cargo anterior na pasta, de secretário executivo. A decisão foi tomada um dia após a TV Globo exibir no Jornal Nacional reportagem criticando a interinidade do ministro. A emissora também ressaltou que o general é técnico e não médico. A formalização veio ao estilo já conhecido do presidente: tô nem ai!

No limite

Mesmo com as dificuldades de um sistema que há anos não comunicava dados entre órgãos do próprio governo, o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, constata que “chegamos perto de 60 milhões de brasileiros que receberam do Governo Bolsonaro o auxílio emergencial. São 14 lotes de pagamento, com a segurança aperfeiçoada e aprendizado com cada um deles”. Lorenzoni lamentou que tantas pessoas não tenham se enquadrado às exigências e disse que a culpa não é do governo. Há limites para tudo, alegou Onyx.

Bolsonaro incomodado

O presidente Jair Bolsonaro voltou a demonstrar preocupação, nesta quarta-feira, 3, com os impactos econômicos da pandemia do novo coronavírus no País e disse que “parece que não tem noção quando vai acabar isso daí”. “O pobre está virando miserável e a classe média, pobre”. Ele afirmou, no entanto, que “não pode resolver tudo” e indicou que os apoiadores devem cobrar prefeitos e governadores. Na saída do Palácio da Alvorada, pela manhã, o presidente ficou incomodado ao ouvir, de um apoiador, que a mãe dele morreu de covid-19, no dia 16 de maio.

Enfim, uma esperança

O alento em relação á Covid-19, segundo jair Bolsonaro, é a vacina que está sendo desenvolvida pela Universidade de Oxford, na Inglaterra. O método é considerado um dos mais promissores do mundo e será testado no Brasil a partir deste mês com dois mil voluntários. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária autorizou a realização da pesquisa no país, conforme edição extra do Diário Oficial da União de terça-feira e com apoio do presidente da República.

Leia Também:  Alberto Fernández comemora provável soltura do ex-presidente Lula
Cavalo arreado

A Rede Globo até tentou jogar nas costas do presidente Jair Bolsonaro gastos com anúncios publicitários em canais que apresentam, segundo a TV, “conteúdo inadequado”. A reportagem citou trechos do relatório produzido pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Fake News e divulgados primeiramente pelo jornal O Globo. Segundo os dados, o governo federal teria gasto cerca de R$ 2 milhões com tais anúncios publicitários. Esses gastos teriam sido feitos de junho a julho do ano passado. Como sempre faz em relação á Globo, Bolsonaro ignorou e não montou o cavalo que passou arreado com mais uma notícia distorcida.

Escolha aleatória

O Palácio do Planalto se limitou a explicar que a verba da Secretaria de Comunicação da Presidência é distribuída por meio do programa Google Adsense, que paga um valor ao site a cada vez que um usuário clica na publicidade ou apenas visualiza. Segundo o relatório da CPI das Fake News, a maior parte dos anúncios está relacionada à campanha do governo para promover a reforma de Previdência. O Banco do Brasil também figura na lista de quem pagou perlas mídias citadas.

Decisão coerente

O reajuste anual de preços de medicamentos e de planos de saúde pode ser suspenso durante a pandemia do novo coronavírus. A medida está no projeto de lei aprovado ontem no Senado por 71 votos a favor e 2 contrários. A proposta segue para a Câmara dos Deputados. O projeto suspende, por 60 dias, o reajuste nos valores de medicamentos e, por 120 dias, a correção das mensalidades de planos de saúde. Quem votou contra terá que se explicar à sociedade.

Leia Também:  Brasil descobre remédio com 94% de eficácia no combate a Covid-19
Nova onda

Por meio das redes sociais, um grupo de atletas, ex-atletas e jornalistas criou a campanha “Esporte pela Democracia”, que prega a defesa dos direitos humanos e visa combater injustiças sociais. O movimento conta com a participação de nomes como Raí, Joanna Maranhão, Guga, Serginho Escadinha, Fernanda Garay, Walter Casagrande e Igor Julião. As personalidades envolvidas emitiram uma nota que explica as diretrizes da campanha. O “Esporte pela Democracia” tem início em um momento em que diversas questões ligadas a direitos civis e respeito à diversidade estão sendo debatidas nas redes sociais.

Tombo recorde

A produção industrial brasileira desabou 18,8% em abril, na comparação com março e atingiu o nível mais baixo já registrado no país, conforme divulgou nesta quarta-feira (3) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. O tombo recorde evidencia a dimensão do impacto da pandemia de coronavírus e das medidas de isolamento social na atividade econômica. “É a queda mais intensa da indústria desde o início da série histórica, em 2002, e o segundo resultado negativo seguido, com perda acumulada de 26,1% no período”, informou o IBGE.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Bastidores da República

Ciro Gomes compra briga com Bolsonaro ao chamá-lo de “boçal genocida”

COISAS DA POLÍTICA

O ex-candidato à presidência, Ciro Gomes, deu a largada para um novo bate-boca com o presidente Jair Bolsonaro. Ontem, durante entrevista ao programa Pânico, Ciro afirmou que considera Bolsonaro “um boçal genocida”, se referindo à gestão durante a pandemia do novo coronavírus no Brasil. “Quando a gente tem esses surtos, temos que nos guiar pela ciência, não pela superstição, ou palpiteiro”, disparou. Só lembrando que o Brasil deu início às eleições 2020. Coisas da política.

O FUTURO PELO PRESENTE

Hoje estou em dúvida se ainda devo continuar vez ou outra elogiar o governo de Jair Bolsonaro, não menos prezo o que já fizeram e os problemas que estão passando. Me entristece é a virada que estão dando no governo, de liberal para populista, sei que ele é popular, mas a bandeira de campanha foi liberal, agora quer criar um programa para ampliar o assistencialismo ao ponto de consumir 60 bilhões anuais, incluindo mais 30 milhões de pessoas neste sistema, é mais que populismo, é oportunismo, depois que viram a popularidade dele crescer por que deu 600 reais para 60 milhões de brasileiros,o plano de privatizações e austeridade foi para o brejo, agora o caminho é arrecadar mais para cobrir estes custos.

O FUTURO PELO PRESENTE (2)
Ele jogou para o congresso resolver e dizer de onde vem o dinheiro para sustentar tal programa, o Congresso é o pior lugar para isso, para aprovarem tudo passa por negociação, e negociação tem custos. Acho que o Bolsonaro vai perder o bonde da história, ele deveria tocar o seu governo até o fim do mandato e passar o comando para outro. Isso cheira o segundo mandato do FHC, que negociou o Brasil para ficar mais um mandato e terminou mal o governo dele, tudo indica que o segundo mandato do Bolsonaro terá o mesmo fim.

Leia Também:  Prazos de processos físicos ficam suspensos até 31 de maio

SERÁ O MENDONÇA?

A Associação Nacional de Juristas Evangélicos (Anajure) pediu ao presidente Jair Bolsonaro a indicação do ministro da Justiça e da Segurança Pública, André Mendonça, para o cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) que ficará vago após a aposentadoria do atual decano da Corte, Celso de Mello, antecipada para o próximo dia 13. Mendonça é pastor presbiteriano e ligado à Anajure. Bolsonaro até que balançou, mas prometeu analisar.

EFEITO BOLSONARO

O número de policiais civis, militares e de membros da ativa e da reserva das Forças Armadas que se candidataram a prefeito e vice-prefeito neste ano é o dobro do que o registrado nas eleições municipais de 2016. São 388 candidatos a prefeito, contra 188 que disputaram o Executivo municipal há quatro anos, antes da eleição do presidente Jair Bolsonaro e da entrada de integrantes do Exército no governo federal.

CASERNA DE OLHO

A cúpula do Exército determinou que todos os comandantes de área fiscalizem o uso de uniformes, símbolos e postos por candidatos militares a vereador, a vice-prefeito e a prefeito. Um dos casos constatados pelo comando da Força é o da tenente-coronel da ativa Andréa Firmo (Republicanos), candidata a vice-prefeito do Rio na chapa do atual prefeito, o bispo Marcelo Crivella (Republicanos). Em duas imagens divulgadas pela campanha, Andréa aparece fardada e com a boina azul das Nações Unidas.O Comando do Exército considerou o uso da farda um “total descumprimento da norma”.

ARQUIVO MORTO

A Procuradoria-Geral da República (PGR) decidiu arquivar uma apuração preliminar contra o presidente Jair Bolsonaro e dois filhos dele, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) e o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), relacionada ao caso em que o Facebook derrubou uma rede de fake news e perfis falsos ligadas ao PSL e a funcionários dos gabinetes do presidente da República. A decisão foi do vice-procurador-geral da República, Humberto Jacques de Medeiros. Ele alegou ausência de fatos concretos. Tá explicado.

Leia Também:  Bolsonaro diz que na 2ª feira sai a 1ª parte da ‘caixa-preta’ do BNDES

DEU EM NADA

O juiz da Ricardo Augusto Soares Leite, da 10ª Vara Federal Criminal de Brasília, revogou a prisão dos hackers Thiago Eliezer Martins Santos, conhecido como “Chiclete”, e Walter Delgatti Neto, chamado de “Vermelho”. Ambos foram presos no âmbito da Operação Spoofing, que apurou interceptação de mensagens de autoridades, dentre elas o ex-juiz federal e ministro da Justiça Sergio Moro, o procurador da República Deltan Dallagnol, ex-coordenador da Lava-Jato de Curitiba e até do presidente da República, Jair Bolsonaro.

CRUZADO DE ESQUERDA

Dois meses após o Congresso Nacional impedir o avanço do governo em utilizar parte do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) no financiamento de um programa social de transferência de renda, o Executivo fará nova investida para que uma porcentagem do dinheiro destinado ao fomento do ensino seja aplicado. Desta vez, a justificativa é tirar do papel o Renda Cidadã. A proposta do governo repercutiu mal no meio político, no mercado e entre especialistas em contas públicas e em educação. Por conta disso, o governo começou a apanhar da mídia.

MOTIVO PARA DISCUSSÃO

Mesmo diante de uma inédita maioria de candidatos negros registrada na eleição deste ano, o caminho para um maior protagonismo dos candidatos pretos e pardos no Brasil ainda parece distante. Segundo o Tribunal Superior Eleitoral, metade das chapas que vão disputar as prefeituras das 5.570 cidades do país é formada apenas por brancos como candidatos a prefeito e a vice-prefeito. Das 18,9 mil chapas registradas, 8.943 tinham apenas brancos.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

LEGISLATIVO

EXECUTIVO

JUDICIÁRIO

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA