Acesse outros veículos da Rede de Mídias!

BASTIDORES DA REPÚBLICA

Ciro Gomes compra briga com Bolsonaro ao chamá-lo de “boçal genocida”

COISAS DA POLÍTICA

O ex-candidato à presidência, Ciro Gomes, deu a largada para um novo bate-boca com o presidente Jair Bolsonaro. Ontem, durante entrevista ao programa Pânico, Ciro afirmou que considera Bolsonaro “um boçal genocida”, se referindo à gestão durante a pandemia do novo coronavírus no Brasil. “Quando a gente tem esses surtos, temos que nos guiar pela ciência, não pela superstição, ou palpiteiro”, disparou. Só lembrando que o Brasil deu início às eleições 2020. Coisas da política.

O FUTURO PELO PRESENTE

Hoje estou em dúvida se ainda devo continuar vez ou outra elogiar o governo de Jair Bolsonaro, não menos prezo o que já fizeram e os problemas que estão passando. Me entristece é a virada que estão dando no governo, de liberal para populista, sei que ele é popular, mas a bandeira de campanha foi liberal, agora quer criar um programa para ampliar o assistencialismo ao ponto de consumir 60 bilhões anuais, incluindo mais 30 milhões de pessoas neste sistema, é mais que populismo, é oportunismo, depois que viram a popularidade dele crescer por que deu 600 reais para 60 milhões de brasileiros,o plano de privatizações e austeridade foi para o brejo, agora o caminho é arrecadar mais para cobrir estes custos.

O FUTURO PELO PRESENTE (2)
Ele jogou para o congresso resolver e dizer de onde vem o dinheiro para sustentar tal programa, o Congresso é o pior lugar para isso, para aprovarem tudo passa por negociação, e negociação tem custos. Acho que o Bolsonaro vai perder o bonde da história, ele deveria tocar o seu governo até o fim do mandato e passar o comando para outro. Isso cheira o segundo mandato do FHC, que negociou o Brasil para ficar mais um mandato e terminou mal o governo dele, tudo indica que o segundo mandato do Bolsonaro terá o mesmo fim.

Leia Também:  Campanha doa cestas básicas ao Instituto de Mulheres Negras de Mato Grosso

SERÁ O MENDONÇA?

A Associação Nacional de Juristas Evangélicos (Anajure) pediu ao presidente Jair Bolsonaro a indicação do ministro da Justiça e da Segurança Pública, André Mendonça, para o cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) que ficará vago após a aposentadoria do atual decano da Corte, Celso de Mello, antecipada para o próximo dia 13. Mendonça é pastor presbiteriano e ligado à Anajure. Bolsonaro até que balançou, mas prometeu analisar.

EFEITO BOLSONARO

O número de policiais civis, militares e de membros da ativa e da reserva das Forças Armadas que se candidataram a prefeito e vice-prefeito neste ano é o dobro do que o registrado nas eleições municipais de 2016. São 388 candidatos a prefeito, contra 188 que disputaram o Executivo municipal há quatro anos, antes da eleição do presidente Jair Bolsonaro e da entrada de integrantes do Exército no governo federal.

CASERNA DE OLHO

A cúpula do Exército determinou que todos os comandantes de área fiscalizem o uso de uniformes, símbolos e postos por candidatos militares a vereador, a vice-prefeito e a prefeito. Um dos casos constatados pelo comando da Força é o da tenente-coronel da ativa Andréa Firmo (Republicanos), candidata a vice-prefeito do Rio na chapa do atual prefeito, o bispo Marcelo Crivella (Republicanos). Em duas imagens divulgadas pela campanha, Andréa aparece fardada e com a boina azul das Nações Unidas.O Comando do Exército considerou o uso da farda um “total descumprimento da norma”.

ARQUIVO MORTO

A Procuradoria-Geral da República (PGR) decidiu arquivar uma apuração preliminar contra o presidente Jair Bolsonaro e dois filhos dele, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) e o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), relacionada ao caso em que o Facebook derrubou uma rede de fake news e perfis falsos ligadas ao PSL e a funcionários dos gabinetes do presidente da República. A decisão foi do vice-procurador-geral da República, Humberto Jacques de Medeiros. Ele alegou ausência de fatos concretos. Tá explicado.

Leia Também:  Débitos de serviços essenciais poderão ser parcelados

DEU EM NADA

O juiz da Ricardo Augusto Soares Leite, da 10ª Vara Federal Criminal de Brasília, revogou a prisão dos hackers Thiago Eliezer Martins Santos, conhecido como “Chiclete”, e Walter Delgatti Neto, chamado de “Vermelho”. Ambos foram presos no âmbito da Operação Spoofing, que apurou interceptação de mensagens de autoridades, dentre elas o ex-juiz federal e ministro da Justiça Sergio Moro, o procurador da República Deltan Dallagnol, ex-coordenador da Lava-Jato de Curitiba e até do presidente da República, Jair Bolsonaro.

CRUZADO DE ESQUERDA

Dois meses após o Congresso Nacional impedir o avanço do governo em utilizar parte do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) no financiamento de um programa social de transferência de renda, o Executivo fará nova investida para que uma porcentagem do dinheiro destinado ao fomento do ensino seja aplicado. Desta vez, a justificativa é tirar do papel o Renda Cidadã. A proposta do governo repercutiu mal no meio político, no mercado e entre especialistas em contas públicas e em educação. Por conta disso, o governo começou a apanhar da mídia.

MOTIVO PARA DISCUSSÃO

Mesmo diante de uma inédita maioria de candidatos negros registrada na eleição deste ano, o caminho para um maior protagonismo dos candidatos pretos e pardos no Brasil ainda parece distante. Segundo o Tribunal Superior Eleitoral, metade das chapas que vão disputar as prefeituras das 5.570 cidades do país é formada apenas por brancos como candidatos a prefeito e a vice-prefeito. Das 18,9 mil chapas registradas, 8.943 tinham apenas brancos.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Bastidores da República

Chico Rodrigues pede afastamento do Senado, STF desiste de afastá-lo e o gabinete permanece em família

DEU CERTO

Depois de ser aconselhado pela Comissão de ética do Senado, da qual fez parte, o senador Chico Rodrigues (DEM-RR) – flagrado pela PF com R$ 33 mil na cueca – pediu licença por 121 dias. A estratégia ocorreu horas antes de o Supremo Tribunal Federal (STF) julgar o pedido de afastamento do parlamentar. O pedido faz parte da estratégia do parlamentar para evitar um desgaste entre o Senado e o Supremo Tribunal Federal. Logo após a busca e apreensão realizada na casa do parlamentar, o ministro do STF Luís Roberto Barroso havia determinado o afastamento de Chico Rodrigues das funções de senador.

BOMBA RELÓGIO

Com a licença do senador Chico Rodrigues quem assume a cadeira é o filho dele e primeiro suplente, Pedro Arthur Ferreira Rodrigues (DEM-RR). Chico foi alvo de uma operação da Polícia Federal, na semana passada, que investiga desvios de recursos destinados ao combate à pandemia de coronavírus em Roraima. Com o afastamento pedido por Chico, no Supremo a avaliação é de que o caso perde o objeto, ou seja, motivo de ser levado para análise do colegiado. Agora a “bomba” está nas mãos da Comissão de ética do Senado, da qual o presidente é o senador Jayme Campos (DEM-MT).

 QUASE MINISTRO

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado Federal sabatina nesta quarta-feira, 21, o desembargador Kássio Nunes Marques, escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para a vaga aberta no Supremo Tribunal Federal (STF) com a aposentadoria do decano Celso de Mello. Os senadores poderão fazer perguntas ao indicado do presidente e, na sequência, decidem internamente, entre os membros da comissão e mediante votos secretos, se aprovam o nome. Se passar pelo crivo da CCJ, Kássio Nunes precisará da maioria absoluta dos votos dos senadores (41 dos 81) no plenário para que sua nomeação seja confirmada.

IDP

Leia Também:  Bolsonaro surpreende com nome de Kassio Nunes para substituir Celso de Mello no STF

A graduação no Brasil vem ganhando um novo patamar com o crescimento do Instituto Brasileiro de Ensino, Desenvolvimento e Pesquisa (IDP), que anunciou quatro novas graduações. A partir de 9 de novembro, será possível fazer a inscrição para os cursos de Administração, Economia, Jornalismo e Publicidade. O aluno tem três opções de ingresso: vestibular, transferência de outra instituição de ensino ou via Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A opção de segunda graduação também está disponível.

IDP (2)

O alto nível das graduações do IDP resultou na aprovação e recomendação pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), do Ministério da Educação (MEC). Quatro especialidades já possuíam cursos de pós-graduação e outras iniciativas. É o caso do mestrado profissional em economia, iniciado em 2019.  Essa abertura de novas graduações é um processo natural dentro do planejamento de crescimento da instituição, afirma Francisco Schertel, diretor-geral do IDP.

IDP (3)

Segundo Francisco Schertel, um dos principais diferenciais das graduações na instituição é a estrutura curricular moderna, que evita que o aluno apenas decore conteúdos, com pouca aplicação prática. “No IDP, temos a certeza de que o modelo tradicional de ensino não é capaz de preparar os estudantes para os desafios do mercado de trabalho contemporâneo. “Nosso objetivo é ensiná-los a analisar criticamente problemas do mundo real e empenhá-los na busca ativa de soluções”.

Leia Também:  Aprovação a Bolsonaro sobe e é a melhor desde o início do mandato e ele ri à toa

TRAGÉDIA ANUNCIADA

Leia Também:  PM entrega condecorações de reconhecimento para militares e personalidades

 

É de assustar o crescimento do número de registros de armas de fogo no Brasil. O aumento foi 120% para caçadores, colecionadores e atiradores. O diretor-presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública aponta que aumento nos registros pode ser uma forma de burlar o Estatuto do Desarmamento, o que é bem possível. No ano passado, foram 225,3 mil registros, e neste ano, de janeiro a agosto, o número subiu para 496,2 mil. Os dados são do Anuário Brasileiro de Segurança Pública. No total, são 2,2 milhões de registros ativos no Sistema de Gerenciamento Militar de Armas (SIGMA), do Exército brasileiro.

TRAGÉDIA ANUNCIADA (2)

O Distrito Federal é a unidade da federação com mais registros de arma de fogo, conforme Anuário Brasileiro de Segurança Pública. O estudo revelou que, em 2019, houve um aumento de registros de armas em todos os estados brasileiros, e no caso do DF, de 2017 a 2019, esse número teve um crescimento de 538%, o maior do país. Isso representa aproximadamente uma arma a cada 13 habitantes, considerando a estimativa populacional do IBGE de 2019.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

vídeo publicitário

LEGISLATIVO

EXECUTIVO

JUDICIÁRIO

GERAL

MAIS LIDAS DA SEMANA