Taxa de contágio por coronavírus sobe na Alemanha após alívio de restrições

Taxa de reprodução do coronavírus volta a ficar acima de 1,0 em meio a relaxamento de medidas de isolamento; instituto de controle de doenças afirma ser necessário observar com atenção o que ocorrerá nos próximos dias

Da Redação, com o Deutsche Welle

A taxa de contágio pelo novo coronavírus subiu na Alemanha pelo segundo dia consecutivo, em meio ao relaxamento das medidas de isolamento em todo o país. Dados divulgados pelo Instituto Roberto Koch (RKI) – órgão responsável pelo controle e prevenção de doenças no país – divulgados nesta segunda-feira (11/05) revelam que a chamada taxa de reprodução do vírus chegou a 1,13 no domingo, após o 1,1 registrado no sábado. Na sexta-feira, a taxa era de 0,83.

A taxa de reprodução indica o potencial de disseminação do vírus e é uma referência essencial para o trabalho do RKI, que lidera as pesquisas científicas sobre a pandemia na Alemanha. Os dados desta segunda-feira significam que cada pessoa infectada transmite a doença para uma outra pessoa. Quando a taxa é menor do que 1, isso significa que cada vez menos pessoas são infectadas, e o número total de contaminados diminui.

Os dados, segundo o RKI, servem como alerta e fazem com que seja necessário “observar com muita atenção o desenrolar dos acontecimentos nos próximos dias”. Segundo o instituto, ainda não é possível dizer se “a tendência das últimas semanas de queda das novas infecções se manterá ou se haverá uma nova alta do número de casos”.

Na última quarta-feira, quando a chanceler federal alemã, Angela Merkel, e os governadores dos 16 estados do país decidiram ampliar o relaxamento das medidas restritivas para conter a disseminação do vírus, a taxa de reprodução estava em 0,65.

World Economic Forum/Ciaran McCrickard
Merkel disse que se uma cidade registrar mais de 50 novas infecções por 100 mil habitantes ao longo de sete dias, será preciso fechar

Ao anunciar o relaxamento, Merkel disse que se uma cidade registrar mais de 50 novas infecções por 100 mil habitantes ao longo de sete dias, ela deverá adotar imediatamente medidas mais rígidas contra a propagação do vírus, que deverão vigorar até o número ficar abaixo de 50 por no mínimo sete dias. Por enquanto, não há a possibilidade de um segundo lockdown em nível nacional, disse a chanceler.

Na semana passada, teve início a retomada parcial das aulas nas escolas e das atividades em alguns setores do comércio, assim como a reabertura de áreas de recreação, igrejas e instituições como museus e zoológicos que estiveram fechados em razão da covid-19, a doença causada pelo coronavírus.

O total de casos confirmados de covid-19 na Alemanha nesta segunda-feira é de 169.575 (1.275 a mais do que na última sexta-feira), e o de mortes em decorrência da doença, de 7.417. Desde o início da epidemia no país, cerca de 145,6 mil pessoas se recuperaram da doença. As regiões mais afetadas do país continuam sendo os estados da Baviera, da Renânia do Norte-Vestfália e de Baden Württemberg.

Neste fim de semana, milhares de pessoas participaram de protestos contra as medidas restritivas de distanciamento social na Alemanha, mesmo com o relaxamento gradual anunciado na semana passada. As manifestações ocorreram em diversas cidades alemãs. A maior delas reuniu milhares de pessoas em Stuttgart, com protestos menores em Berlim, Munique, Frankfurt e Colônia.