Luciano Huck representa a Globo e não a centro-esquerda, diz Lula

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva minimizou nesta 4ª feira (15.jan.2020) a possibilidade de o apresentador Luciano Huck vir a ser candidato a presidente em 2022. Rebateu ainda a tese de que ele representa a centro-esquerda do país.

“O Luciano Huck não representa a esquerda, nem de centro-esquerda. Ele representa a central Globo de Televisão. É isso que ele representa neste momento. Porque, de 1 lado, você tem o Ciro Gomes, de 1 partido historicamente de esquerda. Você tem o Flávio Dino, o Haddad, o Psol que teve candidato. E quem é o do centro-esquerda? Ninguém. Na verdade, o Luciano Huck está sendo discutido pelo dono da Ambev, que é o novo formador de quadros políticos do Brasil. Possivelmente ele gostaria de transformar o Brasil em uma Ambev. Ainda é cedo pra você dizer qual é o espectro político de Luciano Huck”, disse Lula em entrevista de 1 hora e 20 minutos aos jornalistas Juca Kfouri, Talita Galli e José Trajano, da TVT –emissora sindical.

Sobre as eleições presidenciais de 2022, o ex-presidente disse que não descarta a construção de uma frente ampla progressista, mas disse não considerar que isso inclua todos os espectros da política.

“Hoje eu acho que é possível criar uma frente ampla para conquistar de volta a soberania nacional, mas quando você olha no espectro político, você vê que no Congresso o Guedes aprova tudo o que quer”, afirmou. “O PT tem alianças amplas até demais”, disse.

Ao ser questionado se apoiaria uma chapa tendo Flávio Dino, governador do Maranhão pelo PC do B, encabeçando, Lula afirmou: “Admito que sim, como não? O PC do B já me apoiou 4 vezes. Eu tenho 1 apreço por ele”.

“Eu não tenho nenhum problema em apoiar 1 candidato de outro partido político”, completou.

No entanto, para Lula, “é muito difícil se imaginar eleger alguém de esquerda sem o PT”.

Questionado sobre a falta de renovação de seu partido, inclusive para as eleições municipais em São Paulo, o ex-presidente respondeu: “Olha, quem sabe a gente tem uma novidade”. Ele elogiou os nomes que estão na disputa, como Carlos Zarattini, Nabil Bonduki, Alexandre Padilha e Jilmar Tatto. E ainda elogiou a ex-prefeita Marta Suplicy, sem dizer que prefere a ex-petista, apenas afirmando que tem “1 profundo respeito” sobre o histórico dela no PT.

O ex-presidente ainda defendeu que a militância petista deve fazer uma campanha mostrando o legado deixado pelas gestões do partido. Citando os governo de Luiza Erundina, Marta Suplicy e Fernando Haddad, o ex-presidente enfatizou que o partido foi o que “mais fez pela cidade” de São Paulo.

Em análise crítica, Lula disse que a sigla não pode repetir o erro de 2016. “Nós perdemos quando não nos defendemos. O PT em 2016 ficou receoso de ir pra rua. Quando você leva seu cachorro pra passear e alguém late pra ele, ele tem que latir mais alto. E não colocar o rabo entre as pernas. Quando você tem 1 problema, você não se esconde, você enfrenta”, defendeu.

Assista à entrevista (1h21min):

GOVERNO BOLSONARO

Sobre o atual governo, Lula criticou a postura do presidente Jair Bolsonaro diante das minorias. “O ideal seria que quando alguém assumisse o posto de presidente da República, ele se despisse de toda raiva e de todo preconceito. E entendesse que agora ele governa para 200 milhões de pessoas. E que o Estado precisa governar para quem mais precisa“, disse.

Lula também criticou a medida emergencial da equipe econômica do governo de contratar temporariamente 7.000 militares da reserva para diminuir a fila de espera para a concessão de benefícios do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social).

“Porque não pega quem está desempregado para ganhar 1 salário?”, questionou. “Quer desfazer a fila sem competência. Se Bolsonaro não sabe como fazer, pede para chamar o Gabas [ex-ministro da Previdência]. O Gabas está na Bahia ajudando. Pede para chamar o Marinho, pra conversar com o Pimentel que foi ministro da Previdência também. Não conversa com ninguém depois fala que eu é que não quero conversar. Eles é que deveriam falar: ‘Olha, não sabemos como fazer, pelo amor de Deus, ajuda a gente’. A gente ajudaria”, disse.

Ao falar sobre a decisão do governo em reajustar o salário mínimo pelo índice da inflação, Lula lembrou que durante o seu governo o salário mínimo ganhou aumento real de 74%.

“Não é possível aceitar que este país tenha gente passando fome outra vez. Em nome de tudo que possa ser sagrado, não é possível 1 país do tamanho do Brasil ter gente passando fome. Não é possível o presidente da República ficar regateando se vai dar R$ 1.039 ou R$ 1.045 de aumento do salário mínimo. Ele só tem que saber que, no meu governo, o salário mínimo aumentou 74%. Ele só tem que saber que, no meu governo, 94% das categorias de trabalhadores que fizeram acordos salariais ganharam acima da inflação. Ele só tem que saber que é possível e é bonito as pessoas tomarem café, almoçar e jantar todos os dias”, afirmou.

O ex-presidente reafirmou ainda que não torce contra o governo Bolsonaro. “Porque se dá errado quem perde é o povo. Eu não quero que um trabalhador fique esperando dois anos na fila do INSS pra se aposentar”, afirmou.

Poder360

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *