Investigações indicam óleo venezuelano em praias do Nordeste

Uma investigação sigilosa realizada pela Marinha e pela Petrobras apontou que o óleo encontrado em praias do Nordeste tem a mesmo assinatura do óleo da Venezuela. A informação foi divulgada pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Segundo o Ibama, o óleo já atingiu 138 localidades, em 61 municípios de 9 Estados do Nordeste. Eis a íntegra dos últimos dados, atualizados às 16h45 desta 3ª feira (8.out.2019).

Segundo uma fonte “da alta cúpula do governo” ouvida pelo jornal, a conclusão já foi comunicada ao Ibama. A fonte afirmou ainda que não é possível dizer que todo o vazamento que atinge as praias do Nordeste tem a mesma origem, mas análises já realizadas em algumas manchas concluíram, com certeza, que se trata de material de origem venezuelana.

Na 2ª feira (7.out), o presidente Jair Bolsonaro informou que o óleo que avança sobre as praias do Nordeste não é produzido nem comercializado no Brasil e que já tinha 1 país no “radar” das investigações. Já nessa 3ª feira, reafirmou a informação e sugeriu que o vazamento poderia ter sido criminoso. “O volume não está constante. Se fosse 1 navio que tivesse afundado, estaria saindo óleo ainda. Parece que, criminosamente, algo foi despejado lá”, afirmou o presidente.

Desde o dia 2 de setembro, o Ibama, órgão subordinado ao Ministério do Meio Ambiente, está fazendo o monitoramento diário nas regiões afetadas pelas manchas. Em todo o litoral nordestino, já foram recolhidas cerca de 100 toneladas do material desde o início da operação.

Em nota, a Petrobras não confirmou a informação sobre a origem venezuelana do óleo. “A Petrobras não confirma a origem, apenas reforça que os testes apontam que o óleo não é comercializado nem produzido pela Petrobras”.

A estatal informou que nunca processou óleo venezuelano, apesar de as instalações da refinaria Abreu e Lima, localizada no litoral de Pernambuco, terem sido construídas com a parceria da estatal venezuelana PDVSA.

A Petrobras também informou que “a família de compostos orgânicos do material encontrado não é compatível com a dos óleos produzidos e comercializados pela companhia”.

Os testes foram realizados nos laboratórios do Cenpes (Centro de Pesquisas da Petrobras), no Rio de Janeiro. “Desde 12/9, a Petrobras realizou, por solicitação do Ibama, limpeza de praias que apresentaram manchas de óleo nos últimos dias, nos estados de Alagoas, Sergipe, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Maranhão, Rio Grande do Norte e Bahia. O trabalho é realizado pelas equipes do Centro de Defesa Ambiental da Petrobras, nas praias indicadas pelo órgão ambiental”, informou.

Em audiência na Câmara nesta 3ª feira, o presidente da estatal, Roberto Castello Branco, disse que “a função da Petrobras não é investigar de onde vem o óleo”.

“Nossa preocupação foi se era 1 óleo produzido ou eventualmente comercializado pela Petrobras. Temos isso bem documentado. Coletamos 23 amostras, nosso centro de pesquisas realizou análises bioquímicas e chegou à conclusão de que não se trata de nenhum óleo produzido e/ou comercializado pela Petrobras”, afirmou.

Em nota, a Marinha disse ter feito inspeções ao longo do litoral nordestino e análises do material recolhido nas praias. Também informou ter usado 1583 militares, 5 navios e uma aeronave nessas operações. A Marinha ainda classificou o caso como algo inédito.

Já o Ibama, informou que a “análise foi feita pela Marinha e pela Petrobras, apontou que a substância encontrada nos litorais trata-se de petróleo cru, ou seja, não se origina de nenhum derivado de óleo”. No entanto, na nota, não informou nada relacionada ao óleo venezuelano.

 

 

 

Fonte: Poder 360 | Foto: Ascom Ibama/SE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *