Para economistas, BC deve cortar Selic para 5,5% ao ano nesta semana

O Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central dá início nesta 3ª feira (17.set.2019) a mais 1 encontro para definir a taxa básica de juros da economia brasileira, a Selic.

A expectativa geral dos economistas consultados  é de novo corte de 0,5 ponto percentual. Se confirmada a queda, a taxa irá para 5,5% ao ano, nova mínima histórica.

No último encontro, em 30 e 31 de julho, o BC cortou a Selic de 6,5% para 6% ao ano após 10 manutenções seguidas. Naquele momento, a reforma da Previdência havia sido aprovada em 1º turno na Câmara dos Deputados e o colegiado deixou as portas abertas para novas reduções no futuro.

A decisão final do colegiado será conhecida na 4ª feira (18.set) a partir das 18h.

O que deve influenciar

Na visão dos economistas, o desempenho ainda fraco da atividade econômica e as expectativas controladas para a inflação serão suficientes para justificar o novo corte.

“O quadro é difícil e a recuperação é lenta em função da recessão profunda. A política monetária pode dar auxílio ao crescimento”, disse Newton Rosa, economista-chefe da SulAmérica Investimentos.

No Boletim Focus divulgado nesta 2ª feira (16.set), economistas consultados pelo BC projetam que o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), que mede a inflação oficial do país, ficará em 3,45% no final deste ano. Há 4 semanas, falavam em 3,71% e, no início do ano, em 4,01%.

De acordo com as previsões, a inflação deve ficar abaixo do centro da meta do governo para o ano –que é de 4,25%, com 1,5 ponto percentual de tolerância para baixo (2,75%) ou para cima (5,75%).

Esperam ainda que o PIB (Produto Interno Bruto) cresça 0,87% neste ano. No início do ano, as expectativas eram bem mais otimistas, de 2,5%.

Em relação à Selic, economistas apostam em novos cortes até o final do ano. Esperam que a taxa termina 2019 em 5% ao ano.

“As quedas só não vão se concretizar se houver interrupção no fluxo de reformas, se a crise lá fora se acentuar ou se as expectativas para inflação subirem”, disse André Perfeito, economista-chefe da Necton Investimentos.

Perfeito pontua, no entanto, que a taxa de juros tem hoje efeito limitado sobre o desempenho da atividade econômica. “O empresário não investe porque os juros estão baixos, mas porque vê demanda. E a demanda ainda está muito frágil.”

O economista Flavio Serrano, do Banco Haitong, disse que, a depender do comunicado do Copom nesta 4ª feira (18.set), é possível que o Banco Central decida reduzir a taxa Selic para patamares abaixo de 5% ao ano ainda em 2019. Além do próximo encontro, o colegiado terá mais duas reuniões neste ano: em outubro e em dezembro.

Se o comitê mantiver o tom do comunicado anterior, de julho, sinalizando novo cortes dos juros, a Selic deverá ir para 5% ao ano em outubro. Na última reunião, em dezembro, poderá ter uma redução adicional, talvez de 0,25 ponto percentual”, disse Serrano.

Para o analista, a inflação baixa e o nível de ociosidade na economia abrem espaço para a flexibilização monetária. O BC pode demonstrar cautela, porém, com os últimos movimentos do dólar e do preço do petróleo, que disparou nesta 2ª feira (16.set.2019).

A alta do petróleo vai fazer com que a Petrobras reajuste os preços dos combustíveis em patamar alto, com impacto no curto prazo. Mas o nível de ociosidade dificilmente vai tornar a economia inflacionária a frente. Não muda a tendência que estamos acompanhando de enfraquecimento do IPCA”, afirmou o economista.

ENTENDA A SELIC E O COPOM

A Selic, definida durante encontros do Copom, é o principal instrumento do Banco Central de controle da inflação. Taxa média dos financiamentos diários, com lastro em títulos federais, vigora por todo o período entre reuniões ordinárias do comitê.

Quando a inflação está alta, o BC sobe a taxa básica de juros, aumentando o custo do crédito e a remuneração de investimentos em renda fixa. Esse movimento desestimula os gastos do consumidor e os investimentos das empresas, o que acaba aliviando a pressão sobre os preços.

Por outro lado, quando a inflação dá sinais de desaceleração, abre-se espaço para a redução da taxa de juros. Esse movimento tende a incentivar a atividade e o crescimento econômico.

O Copom é formado pelos membros da diretoria do BC. Seu principal objetivo é estabelecer as diretrizes da política monetária e garantir o cumprimento da meta de inflação, definida pelo CMN (Conselho Monetário Nacional). A reunião tem duração de 2 dias. No 1º, é apresentada uma análise da conjuntura. No 2º, é definida a nova taxa básica de juros da economia.

 

 

 

 

Fonte: Poder 360 | Foto: Sérgio Lima