Em delação, Palocci diz que PT recebeu R$ 270,5 mi em propina de diferentes empresas

Em delação premiada, o ex-ministro Antonio Palocci disse que o Partido dos Trabalhadores recebeu R$ 270,5 milhões em propina de diferentes empresas durante campanhas eleitorais, de 2002 a 2014.

O acordo de delação foi firmado com a PF (Polícia Federal) e homologado pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF (Supremo Tribunal Federal), em 29 de outubro de 2018. O ministro determinou o envio de 22 dos 23 anexos da delação a 4 Estados: São Paulo, Distrito Federal, Paraná e Rio de Janeiro.

As informações foram divulgadas na 4ª feira (14.ago.2019) pela revista Veja, que teve acesso ao documento de 8 páginas.

Segundo Palocci, doações irregulares foram recebidas pelo PT de grandes grupos de empresas em troca de favores políticos. Ele afirma ainda que as negociações eram realizadas por ele em conjunto com o ex-tesoureiro da sigla João Vaccari Neto.

O ex-ministro foi condenado a 9 anos e 10 dias de prisão e cumpre pena em regime aberto.

Na delação, segundo a Veja, o ex-ministro envolveu o nome de 12 políticos –entre ex-ministros, ex-congressistas e congressistas– e 16 empresas em transações supostamente criminosas que chegam a mais de R$ 330 milhões, sendo a maior parte para pagamentos de propinas ao PT e a deputados.

Palocci também disse à PF que a atual presidente nacional do PT, a deputada Gleisi Hoffmann (PR), recebeu R$ 3,8 milhões de 3 empreiteiras na campanha de 2010, quando se elegeu senadora pelo Paraná. Segundo ele, a Odebrecht repassou à petista R$ 2 milhões em caixa 2. Já a OAS, do empreiteiro Léo Pinheiro, pagou R$ 800 mil.

O ex-ministro também citou os petistas Fernando Pimentel e Tião Viana, ex-governadores de Minas Gerais e do Acre, respectivamente. Segundo ele, Pimentel recebeu R$ 2 milhões em 2010 da Camargo Corrêa. Já Viana, no mesmo ano, recebeu R$ 2 milhões da Odebrecht, sendo R$ 1,5 milhão por meio de caixa 2.

Palocci também disse que o ex-senador Lindbergh Farias recebeu R$ 3,2 milhões em 2010. Além dele, o ex-líder do PT na Câmara, o deputado Carlos Zarattini (SP) teria recebido R$ 50 mil e então deputado João Paulo Lima (PT-PE, hoje do PC do B), R$ 500 mil.

LUCRO COM SUBMARINOS E LOBBY NO BNDES

Palocci também disse que a Odebrecht teria repassado R$ 50 milhões ao PT em troca de vantagens no Prosub (Programa de Desenvolvimento de Submarinos). Em troca, a construtora pediu para que as liberações de dinheiro do governo no contrato de construção dos submarinos não parassem. O valor recebido teria sido destinado à campanha de Dilma em 2014.

O ex-ministro também falou que houve 1 repasse de R$ 64 milhões da Odebrecht ao PT em troca de “auxílio político” para que fosse aprovado no BNDES 1 aumento na linha de crédito da construtora em projetos relacionados a Angola. A informação é investigada em inquérito no qual Lula é réu.

O QUE DIZ SOBRE LULA E DILMA

Na delação, Palocci diz que nas eleições presidenciais para eleição e reeleição de Lula e Dilma Rousseff houve diversos pedidos políticos de empresários em troca de apoio financeiro.

Entre os casos, o ex-ministro disse que Lula foi eleito com uma quantia milionária repassada pelo ditador Muamar Kadafi, líder líbio morto em 2011. Segundo Palocci, Kadafi deu US$ 1 milhão, o equivalente a R$ 3,5 milhões, à campanha do petista em 2002.

Palocci também disse que o PT atuou para sepultar a operação Castelo de Areia no STJ (Superior Tribunal de Justiça). O esquema investigado teria rendido R$ 50 milhões em propinas na forma de doação eleitoral para Dilma Rousseff em 2010 e políticos petistas pagas pela Camargo Corrêa.

O OUTRO LADO

Em nota, Gleisi Hoffmann criticou a delação de Palocci e disse que o ex-ministro criou “1 pacote de mentiras”.

Eis a íntegra:

“Sobre afirmações mentirosas atribuídas a Antonio Palocci pelo site da revista Veja nesta quarta-feira (14), o Partido dos Trabalhadores esclarece:

1) Nada que Antonio Palocci diga sobre o PT e seus dirigentes tem qualquer resquício de credibilidade desde que ele negociou com a Polícia Federal, no âmbito da Lava Jato, um pacote de mentiras para escapar da cadeia e usufruir de dezenas de milhões em valores que haviam sido bloqueados;

2) Sua delação à PF foi desmoralizada até pela Força Tarefa de Curitiba, que já havia rejeitado cinco versões diferentes das mentiras de Palocci: “Fala até daquilo que ele acha que pode ser que talvez seja”, diz o procurador Antônio Carlos Welter nas mensagens reveladas pelo The Intercept Brasil;

3) As mesmas mensagens mostram que o então juiz Sergio Moro também desqualificava alegações de Palocci “difíceis de provar”, o que não o impediu de fazer uso político dessas mentiras, divulgando-as para prejudicar o PT na última semana do primeiro turno das eleições de 2018;

4) O mais recente frenesi de vazamentos ilegais de papéis sob sigilo de Justiça mostra o desespero de Sergio Moro e seus cúmplices com a revelação dos crimes que cometeram para condenar Lula numa farsa judicial; desespero compartilhado pela mídia antipetista.”

 

 

Fonte: Poder 360 | Foto: José Cruz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *