Emanuel detona oposição: “Uma violência contra 5 mil servidores”

O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), teceu duras críticas aos vereadores de oposição e os acusou de “cometer uma violência” contra mais de 5 mil trabalhadores da saúde pública da Capital.

Recentemente, o conselheiro do Tribunal de Contas (TCE-MT), Moisés Maciel, determinou a suspensão do “prêmio-saúde” pago a servidores da área, incluindo o secretário Luiz Antônio Possas de Carvalho.

“Lamentável. Isso acontece quando você faz oposição com ódio, com rancor. Faz oposição buscando o quanto pior, melhor, não se conformando com as conquistas que Cuiabá está obtendo, com os avanços que a gestão Emanuel Pinheiro promove em Cuiabá”, disse o prefeito, ao ser questionado sobre o assunto.

“Eles acabam, no afã de atrapalhar a gestão, prejudicando mais de cinco mil servidores da saúde pública da Capital, principalmente aqueles que estão lá na ponta”, acrescentou Emanuel.

Segundo o prefeito, os profissionais têm o benefício há décadas incorporado em seus salários e estão agora sob ameaça de perdê-los.

Emanuel disse ainda que está mantendo tratativas, de modo a tentar reverter a decisão do TCE.

“Tenho uma agenda no TCE. Estou me desdobrando para tentar evitar essa violência contra os direitos dos trabalhadores da saúde municipal”, disse.

“Esses vereadores, alguns, estão querendo prejudicar a gestão. Acionaram o TCE com único intuito de prejudicar a gestão e acabaram prejudicando 5,7 mil trabalhadores. Mas estou correndo muito com minha equipe para tentar resolver isso e garantir esse avanço, essa conquista para os trabalhadores”, afirmou Emanuel.

Outro Lado

O vereador Marcelo Bussiki (PSB) afirmou que a suspensão do pagamento do prêmio-saúde ocorreu em razão da “omissão” do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB).

 

“Denunciamos a irregularidade no pagamento dessa gratificação ao secretário. Ele foi notificado por duas vezes para se manifestar sobre isso, mas não respondeu. Agora, o prefeito Emanuel Pinheiro quer lamentar e dizer que os vereadores da oposição querem atingi-lo?! Ora, se tem alguém querendo prejudicá-lo é ele mesmo ou o próprio secretário, que se omitiu em esclarecer essa situação do prêmio-saúde, seja por má-fé ou por ineficiência”, disse Bussiki.

 

Ainda segundo Bussiki, durante análise da representação proposta pelos vereadores, o conselheiro do TCE Moisés Maciel notificou o secretário Luiz Antônio – por duas vezes – pedindo esclarecimentos, mas ele se pronunciou apenas noticiando ter suspendido o recebimento do seu prêmio-saúde e promovido o ressarcimento dos meses pagos indevidamente. No entanto, não anexou documento probatório sobre suas alegações.

 

Crédito: Mídia News

Foto: Alair Ribeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *