Assassinato de Marielle completa 1 ano sem descoberta do mandante

Mulher, negra e defensora dos direitos humanos, a vereadora Marielle Franco (Psol-RJ) foi assassinada em 14 de março de 2018. Sua morte completa 1 ano nesta 5ª feira (14.mar.2019) sem o esclarecimento de quem encomendou o crime.

Na noite do assassinato, a vereadora do Psol carioca voltava para casa de 1 evento chamado “Jovens negras movendo as estruturas”, na Lapa.

No carro, ela e seu motorista, Anderson Gomes, foram baleados, respectivamente, por 4 e 3 tiros, no centro do Rio. Os 2 morreram na hora. Fernanda Chaves, assessora de imprensa dela, abaixou-se rapidamente e não foi atingida.

Nessa 3ª feira (12.mar.2019), duas pessoas foram presas suspeitas de participarem do crime e ligadas a milícias. Os acusados são Ronnie Lessa, policial militar reformado, 48 anos, e o ex-policial militar Elcio Vieira de Queiroz, 46.

Os suspeitos foram denunciados pelos Ministério Público. Segundo a denúncia, Lessa efetuou os disparos que atingiram Marielle e Anderson, e Elcio dirigiu o carro. Os advogados negaram que seus clientes tenham cometido o crime.

De acordo com Simone Sibilio, coordenadora do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) do MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro), os investigados tinham repulsa pela atuação política da vereadora. O crime pode ter sido encomendado, mas ainda não se sabe quem foi o mandante.

“Essa motivação para o crime é decorrente da atuação política dela na defesa das causas, mas não inviabiliza o possível mando mediante pagamento por promessa de recompensa”, disse, na 3ª feira.

“É possível que tenha mandante? É possível como é possível que não tenha. Mas nenhuma linha é descartada… os possíveis mandantes serão investigados nos autos desmembrados que estão sob sigilo”, afirmou a promotora.

A Delegacia de Homicídios do Rio de Janeiro informou ainda que haverá uma 2º etapa de investigações sobre o homicídio da vereadora. Serão investigados possíveis mandantes do crime e o paradeiro do carro utilizado no dia do assassinato.

Quem é Marielle

Marielle foi mãe aos 19 anos. Ela foi eleita em 2016 vereadora pelo Psol. Elegeu-se com cerca de 46.502 votos– a 5ª mais bem votada.

Antes de ser eleita, foi assessora parlamentar do então deputado estadual –e hoje deputado federal– Marcelo Freixo, também do Psol.

Formou-se em sociologia pela PUC, com bolsa integral, e fez mestrado em administração pública na UFF, com o tema “UPP: a Redução da Favela a Três Letras”.

Ele era símbolo de uma juventude que tentava fazer mudanças através da política. Seu assassinato causou comoção e manifestação em diversos Estados.

As principais bandeiras dela eram o feminismo e a defesa dos direitos humanos. Um dia antes do assassinato, em 13 de março de 2018, publicou no seu perfil no Twitter: “Quantos mais vão precisar morrer para que essa guerra acabe?”.

 

 

 

Crédito: Poder 360

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *